propaganda

EDITORIAL /

Quinta-feira, 14 de Julho de 2011, 05h:46

A | A | A

Mudando sim, mas mudando para pior


Está no espaço pela última vez a nave Atlantis. Encerra uma série de 135 missões com naves da NASA. A nação mais poderosa da Terra reconhece que não pode pagar tão caro por missões com naves próprias e vai usar as russas Soyuz e particulares.

 Enquanto isso, aqui no Brasil, integrantes da Infraero se mobilizam para impedir a privatização parcial de aeroportos brasileiros. A Infraero tem dezenas de obras paralisadas por superfaturamento e outras irregularidades pelo Tribunal de Contas da União.

 Falta o dinheiro que sai pelo ralo, há aeroportos perigosíssimos para aviões com mais de 100 passageiros, como Congonhas e Santos Dumont, as taxas de embarque são o dobro de Nova Iorque e os terminais não dão conta da demanda.

 Mas não querem privatização. Não querem perder a boquinha e os passageiros, que os sustentam, que se danem. Enquanto isso, o trem-bala Rio-São Paulo-Campinas patina na VALEC. Na semana passada, a China - que há 40 anos perdia feio para o Brasil em tudo - inaugurou a linha de trem-bala mais extensa do mundo, entre Pequim e Xangai.

Cerca de três vezes a extensão do projetado brasileiro: 1.318 quilômetros. Que são percorridos em 4 horas e 48 minutos, a mais de 300km/h, levando 1.050 passageiros em três classes. A China também recém inaugurou uma ponte marítima de 42 km, ao custo equivalente a 57 milhões de reais o quilômetro. Aqui, o DNIT promete duplicar a ponte do Guaíba, em Porto Alegre, a 400 milhões o km... Nos últimos anos, calou-se a boca daqueles que, aqui no Brasil, alegavam que aqui tudo é difícil porque tem gente demais.

 A China tem sete vezes mais população. Ocorre que lá investem em educação. Aqui, educação é considerada perigo, porque o conhecimento liberta da demagogia e assusta os corruptos.Nas estradas, o perigo vai além da estrada malfeita e superfaturada. É o indivíduo que não deveria estar atrás do volante.

Falta-lhe senso de cidadania e civilidade para dirigir. Só nos últimos dias o senador Aécio Neves; o vice de Serra, deputado Índio da Costa; um delegado de polícia de Minas Gerais, o deputado e ex-jogador de futebol Romário, se recusaram a soprar no bafômetro.

São pessoas públicas e servidoras do público. Mas escondem-se atrás da alegação de que não são obrigadas a produzir prova contra si. E assim confessam que dirigiam alcoolizadas. E nenhum tribunal superior deste país declara que esse princípio não vale quando estiver em jogo a vida alheia.Para terminar bem, uma boa notícia. Valeu a mobilização em Jaraguá do Sul (SC). Os vereadores não aumentaram seu plantel.

Inverteram a primeira votação e se mantiveram em 11 não subindo para 19. Afinal, quem aprendeu aritmética sabe que 1/11 vale mais que 1/19. Quando a população descobrir que é mandante dos mandatários,

mudaremos para melhor. Ou não melhoramos nem nós mesmos?

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz