EDITORIAL /

Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012, 18h:05

A | A | A

Meu primeiro grande amor

Conheci esse amor aos seis anos. Sem querer fui descobrindo que ele poderia mudar a minha vida.


REdação: Janine de Oliveira
Quebra de protocolo e de todas as regras será a base do Editorial de hoje. Espero que os leitores do O Diário me perdoem. Mas quando se trata de falar de uma paixão, sou bem pessoal, os verbos não saem na terceira pessoa, nem o texto fica dentro das normas do jornalismo. Toda a regra tem sua excessão.
Conheci esse amor aos seis anos, foi irresistível, onde quer que eu fosse lá estava ele, cada dia ele me mostrava um mundo novo. Sem querer fui descobrindo que ele poderia mudar a minha vida, e o melhor de tudo é que meus pais apoiavam esse amor.
Não falo de uma pessoa, até porque eu era uma menina que brincava de boneca. Minha primeira paixão foi a cada fonema um aprendizado para a vida toda. Falo sobre a leitura.
Ler foi a grande descoberta da minha vida, e também quem me deu condições de futuro. Lembro bem da infância humilde e do olhar de orgulho de meu pai sempre que me via lendo sentada na sombra de uma árvore em frente a minha casa. Era como se ele pensassse que eu poderia ter uma vida melhor que a dele. E ele estava certo.
Ler e escrever fascinam. É o que nos difere de muitos seres, humanos inclusive, nos abre portas para o mundo.
Francis Baccon expressou em uma frase a grande verdade sobre o mundo letrado, “A leitura torna o homem completo; a conversação torna-o ágil; e o escrever dá-lhe precisão” - que possamos exercitar a leitura e a escrita para que possamos nos tornar completos, ágeis e precisos.
Quem gosta de praticar exercícios físicos sabe que necessita de disciplina e força de vontade para que os músculos respondam de acordo com o esperado, assim acontece com a leitura e a escrita.
Um fato feliz sobre Primavera do Leste é poder afirmar com base nos dados do IBGE de 2011, que apenas 1% das crianças de 7 a 14 anos são analfabetas, a média geral no país é de 3% para a mesma faixa etária.
Esse é um ponto positivo, no entanto, é preciso fazer ainda mais, não basta que nossas crianças tenham um contato apenas com uma grande paixão, eles precisam aprender que isso os fará precisos um dia.
Cantar, atuar, pintar são verbos dignos de artistas e sendo mais auspiciosos, gênios. Porém há que se agregar nessa lista de infinitivos os verbos ler e escrever.
Sempre vi a escrita como uma arte, que precisa e deve ser melhor valorizada. A arte de escolher palavras para expressar sentimentos e ideias precisa ser incentivada. Onde estão os autores de Primavera? É preciso que se fomente e se mostre quem são os gênios das letras desta cidade. Monteiro Lobatto, o grande escritor um dia disse: “Um país se faz com homens e livros”. Que façamos surgir uma nova geração de bons escritores.
Quanto ao meu amor da infância, aquele que nunca se esquece, continuarei regando, exercitando, buscando ser completa, ágil e precisa. Falta uma boa parte do caminho, mas de letra em letra como me ensinou meu amor da meninice conseguirei gravar meu nome na história. Transformando vidas. Dando a outras crianças a chance de encontrar algo que mude suas vidas e espero ver novos artistas se desafiando ao mundo das palavras. Pois uma coisa é certa “escrever e coçar é só começar” - isso eu mesma que inventei.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz