ARTIGO /

Sexta-feira, 26 de Junho de 2020, 06h:30

A | A | A

Oi!? Você tá me ouvindo?

O primeiro questionamento é: será que essa criança tem algum problema? Será que ela não ouve bem?


Imagem de Capa
Dra. Ana Luíza Martins David, Fonoaudióloga

A audição é um dos sentidos mais importantes para o desenvolvimento de nossa linguagem, seja ela oral (fala) ou escrita – representando assim a “ponte” entre o indivíduo e o mundo em que ele está inserido. Essa é uma das principais vias sensoriais, utilizadas no período escolar, para aquisição e desenvolvimento dos processos de aprendizagem.

Muitas vezes os primeiros sinais de que esta via não está em pleno desenvolvimento e desempenho, podem ser percebidos nos processos de leitura e escrita, com a troca de letras, dificuldades para a interpretação textual, dificuldade para completar as tarefas dadas pela professora, são alguns dos exemplos. Além disso, observa-se também sinais comportamentais, a criança pede, muitas vezes, para a professora repetir a explicação, esquece com facilidade as ordens dadas, é bastante desatenta, distraída. O primeiro questionamento é: será que essa criança tem algum problema? Será que ela não ouve bem? Será que ela tem uma perda auditiva?

Entretanto, nem sempre é preciso ter uma perda auditiva para justificar as dificuldades apresentadas – podemos estar falando de um transtorno no Processamento Auditivo.

O Processamento Auditivo (Central) é formado por um conjunto de habilidades auditivas responsáveis por detectar, perceber, discriminar, localizar, reconhecer, compreender e memorizar as informações recebidas pelo nosso sentido da audição. Se houver qualquer dificuldade ou alteração em uma dessas habilidades, consequentemente, teremos dificuldades para utilizar este sentido de forma eficaz e eficiente para o aprendizado.

Para identificarmos quais são os déficits, quais são as habilidades que estão prejudicadas, devemos passar pela Avaliação do Processamento Auditivo. Esta avaliação é composta por uma bateria de testes, que investigarão cada uma das “estações” onde a informação auditiva passa para ser analisada, visando a identificação das alterações que esta via sensorial central pode apresentar, ao levar a informação auditiva até o nosso cérebro.

Ao detectarmos a desordem, temos o diagnóstico do Transtorno do Processamento Auditivo (TPA). Mas, e isso tem cura?

SIM! O TPA é uma condição que o nosso sistema auditivo central apresenta naquele determinado momento, podendo ser reorganizado por meio de estimulações adequadas e corretas. O treinamento auditivo refere-se a um protocolo de sessões de estimulação, voltadas à readequação do que não está em pleno funcionamento.

De acordo com a queixa e os resultados de cada indivíduo, se constrói a proposta terapêutica para que o mesmo busque resultados aproximados ou até mesmo normais na reavaliação. Observe seu filho e em caso de dúvida ou suspeita de que alguma coisa está errada procure um fonoaudiólogo.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz