Segunda-feira, 30 de Novembro de 2015, 21h:09

A | A | A

O projeto das trevas


David Coimbra

Pior do que os discursos da Dilma, pior do que as desculpas do Cunha, pior do que mil Bolsonaros batendo boca com mil Wyllys, pior do que tudo isso, que é bem ruim, é o que o MEC está tentando fazer com o ensino brasileiro.

Pais, professores, alunos, coxinhas, petralhas, cristãos e muçulmanos, todos temos de nos unir contra o projeto do MEC intitulado, com pompa acadêmica, de Base Nacional Comum Curricular, o BNCC.

É evidente que se trata de um projeto de viés ideológico, mas, para combatê-lo, não podemos levar isso em consideração. Até porque muitos simpatizantes do governo concordam que o projeto é ruim. Péssimo, na verdade. Horrível.

Há questões técnicas que têm de ser destrinchadas pelos especialistas, trabalho para o Luís Augusto Fischer, para os Gonzaga, o Sergius e o Regis, para o Cláudio Moreno, para o meu amigo Sérgio Job, para tantos atentos professores que temos, civilizando o Rio Grande e o Brasil.

Isso é com eles. Atenho-me ao genérico.

Genericamente, essa é uma proposta que os intelectuais chamariam de “projeto de desconstrução”. O que se tenta desconstruir é o modelo europeu da educação brasileira. Eles querem deslocar o eixo da Roma Antiga, da Grécia clássica, da França, da Alemanha e da Inglaterra, que é onde se desenvolveu a civilização ocidental, e fazê-lo girar entre a cultura tupi-guarani e a africana profunda, onde habitam zulus, bembas, iorubás, mandingos e tútsis.

Na disciplina de história, a ideia é reduzir quase a zero o ensino de História Antiga e Medieval, além de acabar com a ordem cronológica do conteúdo. Eles querem que os jovens concentrem-se no estudo da história africana e ameríndia.

Na literatura, a ideia é a mesma: concentrar os estudos nas literaturas de língua portuguesa, africana e indígena.

Creio que bastam esses dois pontos para que os brasileiros ergam-se como um único homem e cantem, de punhos cerrados: “Às armas, cidadãos! Formai vossos batalhões! Marchemos! Marchemos! Nossa terra do sangue impuro se saciará!”

Repare que não sou contra o estudo da história americana, indígena e africana, nem contra a leitura de livros de autores africanos e indígenas, embora – admito, eu aqui, na minha ignorância – não conheça nenhum autor indígena. O que sou contra, o que todos temos de ser contra é um modelo de educação que estreite conhecimentos, em vez de ampliá-los.

 

Se esse projeto for aprovado, o que vai ampliar-se no Brasil são as trevas. Vamos nos afundar numa Idade Média cultural. E o pior é que nem saberemos disso, porque ninguém fará ideia do que veio a ser essa coisa de Idade Média.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

MAIS Primavera Do Leste

A diferença entre ética e moral

Moral é o conjunto de regras que orientam o comportamento do indivíduo dentro de uma sociedade

Conflitos interiores

O homem vive em constante conflito consigo mesmo

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Abaixo reportagens especiais e exclusivas para os assinantes do Jornal O Diário

VANTAGEM

Conheça as vantagens oferecidas no CLUBE DO ASSINANTE DO O DIÁRIO

descontos em medicamentos, mensalidade de academias, compra de óculos, corrida de moto táxi, compra de gás de cozinha e até mesmo na conta do barzinho do final de semana. Esses são alguns dos benefícios oferecidos.

Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

26/06 - Em cerimônia pontuada por bom gosto e emoção na Igreja Matriz, Thayara Rodrigues & Duan Pilonetto receberam a bênção matrimonial no último sábado, 22. Impecavelmente vestida pelo estilista mais famoso do Brasil, Lucas Anderi, a noiva emocionou os convidados logo antes da sua entrada com depoimento para o noivo. Já ele usava um terno Camargo, sendo que o estilista fez questão de colocá-lo em suas redes sociais. Com um flashmob feito pela Musique Casamentos, cantores e violinos surgiam entre os convidados enquanto as alianças eram conduzidas pela avó da noiva ao altar. Queima de fogos iluminaram a noite ao final da cerimônia religiosa. O salão do Centro de Eventos Primacredi foi transformado com suntuosa decoração por Anna Carolina para receber o em torno de 500 convidados para a celebração da boda. O buffet sempre agradável de Dulce Aguiar, (Roo) servia de volantes como as panelinhas quentes até um buffet de comida japonesa requintado, na ímpar noite que foi adoçada pelas receitas de Claudete Zandoná. A animação da festa ficou a cargo da Banda Bis de Cuiabá, além do receptivo da Musique com apresentação do Brass Live durante a festa que foi até as 6 da manhã. Um dos pontos altos da noite foi a surpresa feita pelos padrinhos que interromperam o final da apresentação dos noivos, surpreendendo com todas as músicas que os recém casados gostam e fazendo a festa já pegar fogo, mais uma das brilhantes ideias do Cerimonial Fabiano Fernandez que produziu e atendeu todo o evento com a mesma maestria de sempre, já conhecida e aprovada. Confira mais flashes by Marcello Holanda . Fotos oficiais Fares Rames.

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.