REFLEXÃO /

Quarta-feira, 19 de Junho de 2019, 07h:00

A | A | A

Está satisfeito com sua vida?!

Muitas pessoas se sentem infelizes com o que fazem, com o lugar onde trabalham, entre outros.


Imagem de Capa
Beatriz G. Rufato

Muitas pessoas se sentem infelizes com o que fazem, com o lugar onde trabalham, com as exigências, com as burocracias, com superiores hierárquicos, etc. Em um dado momento, começam a adoecer. É gastrite, dor de cabeça, desânimo, falta de energia, desmotivação, estresse e muitos outros incômodos que vão se acumulando.

Esses sintomas físicos apenas revelam o estresse emocional que vem agravando e impactando os resultados e a qualidade de vida.

Quando se busca apenas a ajuda médica para aliviar os sintomas, continua-se vivendo da mesma forma como o resultado atual foi gerado, e não se obtém, portanto, o resultado desejado.

A pessoa não reflete e não consegue mudar atitudes, estratégias e comportamentos. Continua a viver no automatismo e repetindo um ciclo vicioso cheio de nervosismo, irritabilidade, raiva, angústia e revolta. E tudo isso vai gerando muito desconforto e infelicidade, que impactam, negativamente, em outras áreas da vida.

Dentre todas as áreas, a família pode estar sendo negligenciada, porque não sobra tempo e energia para uma dedicação mais aprimorada. É o marido ou a esposa colocada sempre em segundo plano, a filha, ou filhos, que são colocados em uma escola de período integral, com os cuidados e a educação terceirizados. Chega a ser triste e cruel viver uma vida nesse sistema repleto de competitividade, ganância, egocentrismo e compulsividade, para apenas se ter mais coisas materiais.

Achamos que devemos ter um carro zero, moderno, de acordo com o novo padrão de vida, roupas de marca, viagens, e a lista sempre aumenta, porque queremos sempre mais e do melhor. Não há nada errado em querer boas coisas materiais e conforto, porque, afinal, faz parte da natureza humana progredir e sempre buscar o melhor. Mas, quando essa corrida em ter mais se torna cruel e desarmonizada com o próprio bem-estar e começa a afetar, negativamente, a saúde e qualidade de vida, devemos parar e refletir. Será que vale a pena se desgastar tanto na jornada, no caminho, para se obter mais coisas materiais e ser infeliz?

Pergunte a si mesmo e responda, honestamente, as seguintes questões:

1-Em que área estou colocando mais tempo e gastando mais energia?

2-Quais as áreas que estão sendo negligenciadas? Saúde e disposição? Desenvolvimento intelectual? Equilíbrio emocional? Família? Desenvolvimento amoroso? Diversão e Hobbies? Vida social? Plenitude e felicidade? Espiritualidade?

3-A vida que estou construindo, realmente é a vida que eu quero?

4-É compensador gastar toda a energia em um trabalho que me deixa infeliz e negligenciar outras áreas?

São reflexões profundas que muitas pessoas não conseguem fazer sozinhas e por isso procuram o auxílio de um psicólogo, para chegar às decisões importantes para sua vida. Talvez até na decisão de mudar de emprego, ser um empreendedor, mudar de área, ou o quer que seja, mas que se harmonize com áreas importantes e que você viva feliz. Lembre-se, o maior tesouro é a sua vida e nela deve estar presente a saúde em todos os aspectos: pessoal, familiar, profissional e social.

 

Beatriz G. Rufato

Psicóloga

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz