Nacional /

Sexta-feira, 08 de Novembro de 2019, 01h:30

A | A | A

Juíza diz que feminismo colaborou para degradação da sociedade

arrow-options Reprodução/Instagram As estudantes tiveram que "jurar" que nunca entregaram o corpo "a nenhum invejoso, burro, brocha, filho da puta...


Imagem de Capa
Trote arrow-options
Reprodução/Instagram
As estudantes tiveram que "jurar" que nunca entregaram o corpo "a nenhum invejoso, burro, brocha, filho da puta da odonto ou da Facef".

Uma juíza de São Paulo criticou o feminismo , afirmando que o movimento 'apenas colaborou para a degradação moral que vivemos. A declaração foi feita em uma decisão que absolveu um ex-aluno do curso de medicina da Universidade de Franca (Unifran), envolvido em um trote de cunho sexual

O caso aconteceu em fevereiro deste ano, no qual universitárias estavam ajoelhadas e com o corpo pintado. As estudantes tiveram que "jurar" que nunca entregaram o corpo "a nenhum invejoso, burro, brocha, filho da puta da odonto ou da Facef (Centro Universitário de Franca)" e "sempre atender aos desejos sexuais" e "nunca recusar a uma tentativa de coito" dos veteranos. 

Leia mais: Toffoli vota contra prisão após condenação em segunda instância

O Ministério Público de São Paulo ajuizou uma ação civil pública contra o médico Matheus Gabriel Braia em junho deste ano. Braia é ex-aluno da instituição e compareceu ao trote dos universitários. A condenação solicitada à Justiça contra Braia foi de R$ 39.920 de multa por danos morais coletivos. 

Os advogados do médico alegaram que o trote não passou de "um teatro e brincadeira", segundo informações apuradas pela Folha de São Paulo. 

Os advogados do médico alegaram que o trote não passou de "um teatro e brincadeira", segundo informações apuradas pela Folha de São Paulo. O 'clima de descontração e riso' alegado pela defesa foi apresentado em um vídeo do momento em que o trote aconteceu. 

Leia também: Augusto Nunes diz não se arrepender da agressão: "reagi como qualquer homem"

A juíza Adriana Gatto Martins Bonemer, da 3ª Vara Cível de Franca, a ação do Ministério Público de São Paulo retrata a panfletagem feminista, recheada de chavões que dominam, além da esfera cultural, as universidades brasileiras. “É bom ressaltar que o movimento feminista apenas colaborou para a degradação moral que vivemos, bem exemplificada pelo ‘discurso/juramento’ que ora se combate”, escreveu. 

A magistrada considerou ofensivo o discurso e que seria, "no mínimo, hipocrisia" por parte das mulheres. Gatto disse ainda que a verdadeira identidade do movimento feminista "é de engenharia social e subversão cultural e não de reconhecimento dos direitos civis femininos.

A decisão saiu nesta terça-feira (5). O Ministério Público de São Paulo afirmou por meio de nota que a Promotoria de Justiça de Franca ainda não tomou ciência da decisão. 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz