Mato Grosso /

Sábado, 09 de Novembro de 2019, 14h:30

A | A | A

Projeto de escola procura disseminar a cultura de paz no ambiente escolar

Um projeto interdisciplinar da Escola Estadual Estêvão de Mendonça, localizada no município de Guiratinga (a 328 quilômetros de Cuiabá), envolveu...


Imagem de Capa

Um projeto interdisciplinar da Escola Estadual Estêvão de Mendonça, localizada no município de Guiratinga (a 328 quilômetros de Cuiabá), envolveu alunos e profissionais da educação com o intuito de disseminar a cultura de paz no ambiente escolar.

Durante a culminância dos trabalhos, realizada na semana passada, os estudantes mostraram o que foi aprendido, por meio de exposição oral e de apresentações teatrais, de danças e leitura de cordéis.

A diretora da escola, Isabela Bonilha, explica que a unidade escolar realiza há mais de cinco anos o projeto “Educando para a Paz”, com o intuito de promover um ambiente escolar harmonioso. Neste ano, a escola está desenvolvendo, dentro do projeto, a ação “Semeadores da paz”.

Cada sala de aula recebeu a responsabilidade de estudar a respeito de uma personalidade que contribui ou contribuiu para promover a paz no mundo. Os professores de cada disciplina estudaram temas que circundam os conflitos combatidos por cada uma dessas personalidades.

“O projeto multi e interdisciplinar contribui significativamente para o que chamamos de letramento crítico dos estudantes. É importante destacar que os nomes contemplados pelo projeto foram escolhidos de maneira que privilegiem diversos conflitos e esferas sociais”, explica.

Entre as personalidades estudadas estão Hellen Keller (importante figura na luta pelos direitos educacionais de pessoas com deficiência); Marechal Rondon (um dos criadores do Parque Nacional Xingu, pacificador e agente na luta pelos direitos dos indígenas em Mato Grosso e região); Malala (pessoa mais jovem a receber o Nobel da Paz, militante a favor dos direitos educacionais das mulheres no Oriente Médio); Irmã Dulce (religiosa católica que fez muitas ações de caridade a pessoas pobres e doentes da Bahia); Corrie Ten Boom (ajudou a salvar a vida de muitos judeus na Holanda); Nelson Mandela e Martin Luther King (ambos militantes dos direitos das pessoas negras e na luta contra o apartheid).

Na sala do 8º ano, por exemplo, os alunos estudaram a história de Corrie Ten Boom. A professora de História Liliane Xavier abordou o que é o nazismo, como surgiu, seus maiores líderes, formas de propagação e persuasão, a ideia de criação de uma raça pura, história do povo judeu, e as festas judaicas.

A professora de Geografia Roseclér Avelino falou sobre o antissemitismo e antijudaísmo e os conflitos que os envolvem. Na disciplina de Ensino Religioso ela abordou a biografia de Corrie Ten Boom.

Já na disciplina de Arte, a professora Patrícia Alves trabalhou a vida e a obra do pintor holandês Vicent Van Gogh, sua técnica de pinceladas e reprodução de telas.

Nas aulas da professora de Ciências Reudimar Rodrigues foram destacadas as experiências macabras de Joseph Mengele, que usou cobaias humanas para realizar experimentos a sangue frio.

A turma do 8º ano também participou de sessões dos filmes O menino do Pijama Listrado e O Refúgio Secreto, e de oficina baseada no livro “As últimas testemunhas”, de Svetlana Aleksiévitch (reunião de relatos de pessoas que vivenciaram a Segunda Grande Guerra durante a infância, na Bielorrússia). A oficina foi realizada pela diretora da escola, formada em Língua Portuguesa, Isabela Bonilha.

Para o momento de culminância, os estudantes apresentaram um teatro escrito pela secretária escolar, Orliane Matos, adaptado do livro “O refúgio Secreto”, de Corrie Ten Boom.

A coordenadora pedagógica da escola, Zilany Magalhães, ressaltou que todos os profissionais da escola se envolveram no projeto e colaboraram de alguma forma. A exemplo de Sandra Neves, que cuida da limpeza. Ela auxiliou na costura das roupas das meninas. O David, técnico responsável pela biblioteca, e o Sizenando, que é vigia, auxiliaram nos elementos físicos necessários ao cenário.

“É lindo ver a escola toda se envolvendo no projeto, desde os professores aos técnicos e funcionários. Sem a mão de cada um, não seria possível realizar esse trabalho. A união de todos faz a diferença”, destacou a coordenadora.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz