Internacional /

Terça-feira, 08 de Outubro de 2019, 02h:30

A | A | A

Premier francês diz 'não ser contra' sistema de cotas de imigração

arrow-options Reprodução/Twitter Édouard Philippe Imigração deve pautar eleições na França em 2022 O primeiro-ministro da França, Édouard Philippe,...


Imagem de Capa
Édouard Philippe arrow-options
Reprodução/Twitter Édouard Philippe
Imigração deve pautar eleições na França em 2022

O primeiro-ministro da França, Édouard Philippe, afirmou não ser contra à adoção de cotas para novos imigrantes no país. Segundo ele, a “questão de estabelecer metas para a admissão de residentes não é um tabu”, também sinalizando possíveis mudanças no sistema de saúde público para imigrantes, mesmo aqueles que se encontram de forma irregular no país.

Leia também: Exército do Iraque admite uso de força excessiva para reprimir manifestações

"A França precisa cuidar de todos que vivem em seu território. Mas não deve ser mais ou menos atrativa que seus vizinhos", disse sobre a migração , em sessão na Assembleia Nacional.

O premier , contudo, deixou claro que esse sistema de cotas seria aplicado apenas em vistos de trabalho, sem influenciar nos pedidos de asilo, refúgio e reuniões familiares. Mesmo assim, afirmou que o sistema de vistos humanitários está operando acima da capacidade.

"Os números são inegáveis. Em 2018, a França registrou 123 mil pedidos de asilo, 22% a mais que no ano anterior, isso em um momento em que os pedidos caíram 10% no resto da Europa".

A imigração é um dos temas mais sensíveis para o governo do presidente  Emmanuel Macron . Por um lado, ele é pressionado por boa parte de seus apoiadores para que evite mudanças nos critérios de admissão de estrangeiros. Por outro, vê com preocupação o avanço da extrema direita, que tem no combate à imigração uma de suas principais bandeiras. Macron não quer perder sua base consolidada, mas sabe que precisará dos votos dos conservadores na eleição de 2022, sob risco de ser derrotado.

Leia também: Justiça suspende ordem para divulgação dos registros fiscais de Donald Trump

No mês passado, o presidente tinha sinalizado uma mudança de rumo de seu governo sobre o tema. "Ao dizer que somos humanistas, às vezes somos muito lenientes".

Um exemplo do discurso forte anti-imigração, em alta hoje no país, veio da líder da Frente Nacional, de extrema direita, Marine Le Pen. Para ela, o governo fragiliza a segurança nacional ao permitir a entrada de imigrantes sem checar seus antecedentes criminais.

"O governo ajuda a agravar um perigo mortal todos os dias, com sua política de imigração sem sentido. O Estado está ausente, dramaticamente ausente, criminalmente ausente".

Leia também: Justiça suspende ordem para divulgação dos registros fiscais de Donald Trump

Já o líder de esquerda Jean-Luc Mélenchon acusou Macron de usar a questão migratória para esconder outros problemas nacionais. "Você quer fazer usar o imigrante, mais uma vez, como bode expiatório, ao invés de atacar o financista que pilha nossa riqueza através de fraude e evasão fiscal", afirmou, completando que o governo age como se estivesse em “campanha eleitoral permanente”.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz