Esportes /

Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019, 11h:30

A | A | A

Por que a camisa número 24 é "proibida" no futebol brasileiro?

arrow-options Instagram Jovem goleiro Brenno é o camisa número 24 do Grêmio Você sabia que, dos 20 clubes que estão disputando a Série A do Campeonato...


Imagem de Capa
Jovem goleiro Brenno é o camisa número 24 do Grêmio arrow-options
Instagram
Jovem goleiro Brenno é o camisa número 24 do Grêmio

Você sabia que, dos 20 clubes que estão disputando a Série A do Campeonato Brasileiro, apenas um deles possui jogador usando a camisa número 24? É o Grêmio. E quem utiliza é o jovem goleiro Brenno Fraga .

Leia também: Oito em cada 10 pessoas apoiam atitude contra homofobia nos estádios

O número 24 é praticamente proibido para os jogadores do futebol brasileiro. E também na sociedade brasileira num âmbito geral. A explicação mais provável e mais plausível para isso é folclórica, cultural e com referência bastante antiga, de mais de 100 anos.

No popular " Jogo do Bicho ", bolsa ilegal de apostas criada no Rio de Janeiro em 1892 por João Baptista Viana Drummond, a quadra estipulada ao animal veado é a 24ª, contendo os números 93, 94, 95 e 96. Ou seja, o 24, no ambiente machista do futebol, é relacionado a homossexualidade.

Conversamos com o goleiro Brenno sobre o número de sua camisa. "Não foi uma escolha minha de ter esse número, mas também não chegaram em mim e falaram para eu usar. Não vejo problema nenhum, não tenho esse pensamento. O importante é ir para os jogos e ajudar a equipe", disse o jovem de 20 anos ao iG Esporte .

"Foi o meu número de estreia (no Campeonato Gaúcho deste ano). Estreei em um Gre-Nal, então vai ficar marcado na minha vida como uma coisa boa. Por isso não vejo problema nenhum, é super tranquilo, não tem mistério", continuou Brenno.

Jovem goleiro Brenno é o camisa número 24 do Grêmio arrow-options
Instagram
Jovem goleiro Brenno é o camisa número 24 do Grêmio

O goleiro gremista disse ainda que nunca foi alvo de piadas ou brincadeiras preconceituosas por conta do seu número. "Nunca. Pelo menos diretamente para mim, não. Nem jogador e nem torcedor, de ninguém", finalizou.

Obrigação pelo número 24

Entretanto, nos torneios sul-americanos, como Copa Libertadores e Copa Sul-Americana, a Conmebol obriga os clubes a terem um jogador com a camisa 24, já que a inscrição tem que ser sequencial, de 1 a 30. Essa é a única exceção à regra.

Diante dessa obrigação, os times do Brasil costumam colocar o terceiro goleiro com essa camisa, como no caso do Internacional, que teve o arqueiro Daniel com a camisa 24 na Libertadores. Seu número, porém, é o 42.

Já no Flamengo, o zagueiro espanhol Pablo Marí é o 24 na Libertadores, sendo que ele usa o 4 no Brasileirão, enquanto o Palmeiras teve o atacante Carlos Eduardo com essa numeração na competição - no Campeonato Brasileiro ele é o número 37.

Pablo Marí é o 24 do Flamengo na Libertadores%2C mas no Brasileirão usa a camisa 4 arrow-options
CONMEBOL/DIVULGAÇÃO
Pablo Marí é o 24 do Flamengo na Libertadores, mas no Brasileirão usa a camisa 4

Heterossexismo explícito

Na opinião de Gustavo Andrada Bandeira , doutor em educação pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e autor do livro "Uma História do Torcer no Presente: Elitização, Racismo e Heterossexismo no Currículo de Masculinidade dos Torcedores de Futebol", os jogadores buscam se afastar de tudo que questiona a sua masculinidade afim de evitar qualquer desgaste com torcedores.

"Os times representam torcidas. O jogador é o representante do torcedor, ou do sócio, se a gente for pensar no clube. Ele dentro do campo tem que desempenhar o que o torcedor espera. E o que o torcedor espera não é só jogo de futebol, não é só qualidade técnica, gol, passe, drible... ele também quer uma representação de outros valores", disse em contato com o iG Esporte .

Leia também: Vasco divulga nota de repúdio após gritos de homofobia em estádio

"Independentemente de estado ou país, a sexualidade é um conteúdo muito importante para esses torcedores. O atleta não pode apenas jogar bem, tem que jogar bem e representar uma masculinidade aceitável que, obviamente, é uma masculinidade não homossexual", continuou Bandeira.

Para ele, qualquer referência mostra o limite e a fraqueza dessa masculinidade. "Imagina, um número nas costas. É realmente uma falta de confiança e uma masculinidade que tem ser provada o tempo todo, o tempo todo sob vigilância, sob controle e que qualquer coisa é perigosa", disse.

"Se o jogador puder evitar problemas, e aí eu entendo o lado do jogador, esse é um a menos. Já que os torcedores acham importante que você não use o número que faça esse tipo de referência, então não usa. E isso chama bastante atenção", completou Gustavo Andrada Bandeira.

Tabu dentro do futebol

Homofobia no futebol arrow-options
Reprodução
Homofobia no futebol

Ainda de acordo com Gustavo Andrada Bandeira, a presença de jogadores homossexuais no futebol não é novidade. "E sim, todos estão dentro do armário, escondidos e performatizando como se homossexuais não fossem. O torcedor prefere não ser representado por um homossexual ", avaliou.

O doutor em educação pela UFRGS considera que tudo que puder ser usado como piada ou deboche será utilizado na provocação e, no contexto a masculinidade, é algo que se torna alvo dessas piadas e dessas brincadeiras. Até por isso, é melhor, conceitualmente para o torcedor, que ele não tenha um jogador que coloque em risco sua masculinidade.

"O ambiente do futebol para os jogadores profissionais é de mercado de trabalho, e um mercado extremamente competitivo e pouquíssimas vagas. Estamos acostumados a ver os jogadores famosos, mas a ampla maioria é de atletas que não conseguem jogar o ano todo e que até precisam trabalhar em outra coisa para compor salário", lembrou.

"Se um jogador assumir a sua homossexualidade, talvez até pudesse jogar. Mas ele teria que ser muito melhor do que os outros. Caso contrário, em qualquer erro de passe, ele não erraria o passe por erro técnico, mas sim por ser homossexual. Então seria muito perigoso assumir e ele fecharia portas para um mercado restrito", disse Bandeira.

Apesar desse tabu que ainda existe no futebol brasileiro em relação à homofobia, Gustavo Bandeira aposta em dias melhores no futuro. 

Leia também: Clubes poderão ser punidos com perda de pontos em caso de gritos homofóbicos

"A homofobia não é novidade no futebol brasileiro, é uma coisa antiga. O que é novidade é a gente perguntar se ela deveria estar aí, se não deveria ser feito outra coisa, se não está errado essa homofobia. Isso é novidade e nos faz permitir ser otimista", disse.

"Os clubes estão abraçando as causas, fazem campanhas contra o preconceito, pelo dia de visibilidade, de lutas de sexualidades não normativas. Dá para ter uma pequena esperança de que dias melhores nesse conteúdo aparecerão no futebol brasileiro", finalizou o especialista.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz