Economia /

Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019, 15h:30

A | A | A

Ministra contradiz Bolsonaro e afirma que preço da carne não deve cair

arrow-options Carolina Antunes/PR Tereza Cristina contradisse Bolsonaro e afirmou que preço da carne não deve cair A ministra da Agricultura, Tereza...


Imagem de Capa
Bolsonaro e Tereza Cristina arrow-options
Carolina Antunes/PR
Tereza Cristina contradisse Bolsonaro e afirmou que preço da carne não deve cair

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta sexta-feira (29), em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo , que o preço da carne não deve cair, contradizendo o presidente Jair Bolsonaro, que afirmou em sua live no Facebook na véspera que a ministra teria garantido que "em três ou quatro meses" o preço voltaria à normalidade.

Leia também: Empresas têm até esta sexta para pagar o 13º; saiba calcular valor das parcelas

Em São Paulo, o preço da arroba do boi gordo teve aumento real de 35% em um mês, o que Tereza Cristina atribui à falta de reajustes nos últimos três anos e a alta das exportações de carne para a China.

Redes de supermercados alegam limitação da oferta de carne bovina , mas a ministra nega e diz ao Estado que "Primeiro, o Brasil tem 215 milhões de cabeças de gado. Então, não é um rebanho para acabar amanhã. Segundo, realmente o mercado chinês mexeu com as exportações, e não só da carne brasileira, mas da carne argentina, paraguaia, uruguaia. É muito grande a necessidade da China ".

"Além de o Brasil abrir as exportações , temos de lembrar que o boi tinha um preço represado há três anos. O pecuarista estava tendo prejuízo nesse período", justificou a líder da pasta da Agricultura.

De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em menos de três meses, contrafilé e coxão mole registraram aumentos acima de 50% e 46%, respectivamente, no preço de custo, que então é repassado ao consumidor.

Leia também: Cesta básica vai subir mais de 20% em caso de aprovação de proposta do governo

O Ministério da Agricultura diz acompanhar de perto a situação e acreditar que o mercado "vai encontrar o equilíbrio". Segundo Bolsonaro , não haverá qualquer tipo de intervenção. "Não vou fazer, nossa política é de mercado aberto. Não podemos aqui tomar medidas que não deram certo em nenhum lugar do mundo, como exportar menos para abastecer o mercado interno. É a livre concorrência", defendeu o presidente.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz