Carros /

Sexta-feira, 07 de Junho de 2019, 19h:09

A | A | A

Renault Kwid Outsider: aventura interessante

Carlos Guimarães/iG Apenas o Renault Kwid Outsider vem com calotas pintadas de preto, anteparos nos para=choques, entre outros itens A Renault escolheu...


Imagem de Capa
Renault Kwid Outsider branco
Carlos Guimarães/iG
Apenas o Renault Kwid Outsider vem com calotas pintadas de preto, anteparos nos para=choques, entre outros itens

A Renault escolheu os personagens da animação "Caverna do Dragão" para promover a nova versão do Kwid com visual aventureiro. O filme publicitário foi um sucesso, mas será que no dia a dia o carrinho convence? Bem, antes de mais nada, saiba que por menos de R$ 43.990 (preço da novidade), você não encontrará quase nada nas lojas no Brasil, hoje em dia.

 LEIA MAIS: Kwid e Zoe representam os dois extremos da Renault

A questão do baixo custo foi levada à sério no projeto do Kwid. Os vidros são mais leves, as rodas são presas por três para-fusos (com calotas plásticas), existe apenas uma lâmina no limpador de para-brisa e a economia chega até na fiação dos vidros elétricos dianteiros, acionados por dois pequenos botões no painel, prejudicando a ergonomia.

Mas nem tudo é despojado no Kwid Outsider. A central multimídia de série funciona bem e tem câmera de ré. Além disso, os detalhes alaranjados no volante, na manopla da alavanca de câmbio e nas bordas dos bancos de tecido dão um tom de exclusividade que agrada. Mas o pouco que se tem de capricho fica por aí.

Há que se considerar que instalaram quatro airbags (dois frontais e dois laterais), ancoragem ISOFIX para cadeiras infantis e faróis de neblina, tudo de série nessa nova versão Outsider, que ainda conta com outros itens, como barras na capota e anteparos nos para-choques.

Seguindo o Mestre dos Magos 


Painel do Renault Kwid Outsider
Divulgação
É tudo simples por dentro. Mas, repare nos detalhes alaranjados e na central multimídia, simples, mas que funciona bem.

Ao se acomodar no Kwid não há como fazer ajustes na posição de dirigir. Pelo menos, o volante é leve e a alavanca de câmbio tem engates fáceis, inclusive, acima da média dos modelos da Renault. Entretanto, o pedal da embreagem chega a cansar a perna no anda e para do trânsito.

 LEIA MAIS: Renault Kwid enfrenta o rival Fiat Mobi, mas não tem vida fácil

Também é bom se acostumar em andar mais perto do carona. O espaço é apertado para cinco ocupantes e no porta-malas vão razoáveis 290 litros. Em se tratando de um carro feito para ser barato, não há como evitar plástico duro no painel e ter que travar as portas o tempo todo, já que não há sistema que o faça assim que o veículo entra em movimento.

Se por um lado a boa altura livre do solo (18 cm) ajuda bastante o carro a passar incólume por valetas, lombadas e outros obstáculos urbanos, por outro é preciso ter certa cautela ao contornar curvas, principalmente em piso molhado. Lembre-se: os pneus são estreitos (165/70R 14) e não há controles eletrônicos de estabilidade e tração.

Bancos de renault Kwid Outsider
Divulgação
Interior é apertado, mas tem detalhes exclusivos nos bancos com apoios de cabeça interiços

O motor 1.0, de três cilindros, é uma versão simplificada do SCe que equipa a dupla Logan e Sandero. Tem duplo comando no cabeçote, mas sem variador de fase. Rende modestos 70 cv e 9,8 kgfm a altos 4.250 rpm, outro motivo para manerar nas ultrapassagens. Por ser leve (meros 806 kg), o Kwid até que sai bem no trânsito do dia a dia. Mas, na estrada, siga os conselhos do Mestre dos Magos e vá devagar com o andor.



LEIA MAIS: Renault Kwid com retoques no desenho aparece antes da estreia

Como parte da simplicidade do projeto, ao acelerar, é inevitável que o nível de ruído suba consideravelmente. Em contrapartida, mesmo com tanque pequeno (38 litros), o subcompacto da Renault tem boa autonomia (teoricamente, até 547,2 km) por gastar pouco combustível. De acordo com os números do Inmetro, o carrinho faz 14,4 km/l de gasolina (rodoviário) e 14,1 km/l (cidade), números que passam para 10 km/l e 9,6 km/l com etanol, respectivamente.

Conclusão

Nem com os poderes de Sheila você vai encontrar um carro zero quilômetro no Brasil que custe o mesmo (ou menos) que o Kwid e ofereça o mesmo nível de itens de série.

Porém, saiba que o carrinho tem lá suas limitações e exige certa cautela, principalmente na estrada, com piso molhado. Também não espere algo que fique próximo de um bom espaço interno.

Ficha técnica

Preço: R$ 43.990

Motor:  1.0, três cilindros, flex

Potência:  70 cv (E) / 66 cv (G) a 5.500 rpm

Torque:  9,8 kgfm (E) / 9,4 kgfm (G) a 4.250 rpm

Transmissão:  Manual, cinco marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios:  Discos ventilados (dianteiros) / Tambores (traseiros)

Pneus:  165/70 R14

Dimensões: 3,68 m (comprimento) / 1,58 m (largura) / 1,47 m (altura), 2,42 m (entre-eixos)

Tanque: 38 litros

Porta-malas: 290 litros 

Consumo etanol: 10,3 km/l (cidade) / 10,8 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 14,9 km/l (cidade) / 15,6 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 14,7 segundos 

Velocidade máxima: 156 km/h 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

26/06 - Em cerimônia pontuada por bom gosto e emoção na Igreja Matriz, Thayara Rodrigues & Duan Pilonetto receberam a bênção matrimonial no último sábado, 22. Impecavelmente vestida pelo estilista mais famoso do Brasil, Lucas Anderi, a noiva emocionou os convidados logo antes da sua entrada com depoimento para o noivo. Já ele usava um terno Camargo, sendo que o estilista fez questão de colocá-lo em suas redes sociais. Com um flashmob feito pela Musique Casamentos, cantores e violinos surgiam entre os convidados enquanto as alianças eram conduzidas pela avó da noiva ao altar. Queima de fogos iluminaram a noite ao final da cerimônia religiosa. O salão do Centro de Eventos Primacredi foi transformado com suntuosa decoração por Anna Carolina para receber o em torno de 500 convidados para a celebração da boda. O buffet sempre agradável de Dulce Aguiar, (Roo) servia de volantes como as panelinhas quentes até um buffet de comida japonesa requintado, na ímpar noite que foi adoçada pelas receitas de Claudete Zandoná. A animação da festa ficou a cargo da Banda Bis de Cuiabá, além do receptivo da Musique com apresentação do Brass Live durante a festa que foi até as 6 da manhã. Um dos pontos altos da noite foi a surpresa feita pelos padrinhos que interromperam o final da apresentação dos noivos, surpreendendo com todas as músicas que os recém casados gostam e fazendo a festa já pegar fogo, mais uma das brilhantes ideias do Cerimonial Fabiano Fernandez que produziu e atendeu todo o evento com a mesma maestria de sempre, já conhecida e aprovada. Confira mais flashes by Marcello Holanda . Fotos oficiais Fares Rames.

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.