HISTÓRIAS /

Terça-feira, 02 de Fevereiro de 2016, 20h:56

A | A | A

O comerciante e fazendeiro Antoninho Ravanello viveu 39anos em Primavera


Imagem de Capa
Stephanie Freitas

Entre os pioneiros de Primavera do Leste, merece destaque na área comercial Antoninho Ravanello por ter construído no então vilarejo, em 1976, o primeiro hotel e as primeiras lanchonete e mercearia no trevo da rodovia BR-070 com a MT-130. Além disso, foi um dos precursores na agricultura da região.

Natural de Caiçara/RS, mudou-se ainda criança para Frederico Westphalen com a família, de onde veio em 1975 conhecer a região do entroncamento da BR-070 com Paranatinga. Na época, Antoninho trabalhava em uma propriedade rural do Sr. Onofre Dal Piva, o qual havia adquirido terras no Mato Grosso e elogiado muito a região. Já em 1976, Antoninho animado com a oportunidade, firmou contrato de arrendamento da área, e veio do Sul trazendo os irmãos Ciro, João, Aires e José Ravanello. A viagem feita no caminhão de Avelino de Oliveira, sogro de Antônio, durou cerca de quatro dias.

O irmão José Ravanello relata um pouco da chegada, em 13 de março de 1976. “Estacionamos próximo a um dormitório construído com paredes de barro e cobertura de capim, próximo onde hoje é o Posto Barril. O posto não estava pronto, aliás, no dia havia um trator CBT atolado no buraco onde seria instalado o tanque de combustível”.

Após adquirir tal dormitório, Antoninho construiu no local alguns dos primeiros comércios da região, acima referidos, onde hoje funciona o restaurante Taberna. “O fluxo de pessoas que vinham conhecer a região era muito grande. A maioria seguia viagem até Poxoréu, mas após a construção da pousada, que para época era muito estruturada, eles passaram a ficar em Primavera. O local passou a ser um ponto de encontro das pessoas”, relatou José Ravanello. A maioria das mercadorias vendidas na mercearia era trazida de Anápolis/GO, mas produtos como vinho e chimia, tradicional geléia gaúcha, vinham do Sul. A então esposa de Antoniho, Maria O. Ravanello era quem o ajudava a carregar e descarregar mercadorias. “Ela foi uma grande companheira, trabalhava muito”, relatou José.

Em sociedade com o sogro, Avelino Oliveira, Antoninho e os irmãos arrendaram uma propriedade rural, na qual produziam arroz. Nos anos seguintes, outros irmãos Ravanello, influenciados por ele, foram mudando-se para Primavera a fim de trabalharem juntos na Fazenda Entre Rios. Além disso, Antoninho foi também corretor de imóveis do empresário Edgard Cosentino. “Uma lembrança curiosa era de que o Tonho algumas acabava vendendo terrenos como troco no mercado”, contou. Em 1978, Antoninho desfez a sociedade com o sogro, e continuou com os comércios. Posteriormente, adquiriu novas terras, utilizadas principalmente para o pasto.

José Ravanello conta que uma das poucas opções de lazer da época era o futebol. “Nós jogávamos bola entre os moradores e até mesmo com os índios xavantes. Formávamos o Time da BR”, relembrou.

O irmão de Antoninho conta ainda que ele fez parte da Comissão de Emancipação do Município. “Outro destaque dele foi ter participado da fundação do Rotary em Primavera, em que eram realizadas muitas reuniões para tratar de assuntos em prol da cidade. Era uma organização administrativa de fato”, enfatizou José.

Antoninho é pai de Ana Cléris, Ana Carla e o já falecido Antônio Carlos. “A morte do filho que tinha apenas 17 anos causou um grande abalo em Antoninho. Eles eram muito companheiros”, lamentou José Ravanello. Antônio Carlos faleceu em um acidente de avião, durante um curso de piloto, em 2002. O instrutor de vôo também não resistiu aos ferimentos.

 

Em abril de 2015, após realizar uma cirurgia no pulmão para controlar um quadro de hemorragia, Antoninho Ravanello faleceu. O fazendeiro de 64 anos sofreu uma embolia pulmonar, devido ao o surgimento de um coágulo em uma das pernas durante uma viagem ao Rio Grande do Sul. O coágulo acabou chegando até o pulmão. Além disso, ele sofreu infecção generalizada. Nos últimos tempos, Antoninho dividia seu tempo entre Primavera e Peixoto de Azevedo-MT, onde se dedicava a pecuária bovina.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!