CAPACIDADE MÁXIMA /

Segunda-feira, 24 de Julho de 2017, 15h:18

A | A | A

Lixão de Primavera do Leste continua lotado

Enquanto isso as máquinas trabalham para organizar espaço que já foi considerado condenado pela gestão anterior


Imagem de Capa
Ítalo Berto

Após a declaração do ex-secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Agricultura e Meio Ambiente, Adriano Voight, em novembro de 2016, onde ele afirmou que os cinco hectares do lixão de Primavera do Leste estaria condenado a partir de dezembro do mesmo ano, seis meses se passaram e as providências previstas ainda não foram cumpridas.

Em ação do Ministério Público, até abril de 2016 a prefeitura deveria ter recuperado o lixão e transformá-lo em aterro sanitário, como era em 1999, quando os descartes da cidade passaram a ser dispensados no local. Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi assinado, porém até hoje não foi acatado.

E como a gestão atual trabalha para resolver este problema? Ainda não há como saber! O Diário, pelo período de três meses, tentou entrevista para discutir o assunto com o atual secretário de Meio Ambiente, Tadeu Júnior, mas não teve sucesso. Na última tentativa, sexta-feira (21), o secretário disse, por telefone, que as informações referentes ao lixão seriam repassadas por meio da Assessoria de Comunicação da prefeitura. Em contato com a assessoria fomos informados de que o paço municipal não se pronunciará sobre o lixão.

A equipe do O Diário esteve no lixão na manhã da última sexta-feira (21). O amontoado de lixo já ultrapassa a altura da fiação e das árvores que cercam o local. No ano passado as pilhas de lixo alcançavam os 30 metros de altura. Um pequeno foco de incêndio também foi visto pela nossa equipe. Segundo trabalhadores, o local está há 20 dias queimando. Ainda conforme trabalhadores, eles estão fazendo de tudo para melhorar o descarte dos resíduos, e a informação repassada é de que durante o período de mais um ano os descartes de Primavera do Leste devem continuar a ser dispensados no atual lixão. Por enquanto foi possível perceber que as máquinas trabalham para organizar o espaço, de forma com que caiba mais lixo.

Embora a prefeitura não tenha se pronunciado, em fevereiro desse ano o secretário Tadeu júnior garantiu que medidas estão sendo tomadas para regularizar a situação do lixão. “A intenção é comprar uma área ao lado do atual lixão, que possui cerca de 12 hectares para construção do aterro, onde também deverá funcionar a Cooperativa de Coleta Seletiva e Reciclagem (Cooperlimp). O espaço deve servir para descarte de lixos pelos próximos 25 anos”, disse na época.

O Diário aguarda, ainda, a manifestação do Ministério Público e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, que também foram questionadas sobre a atual situação do Lixão de Primavera do Leste, mas até o momento não encaminhou as devidas respostas.

 

LIXO NA CIDADE

Ao contrário do que requer a maior parte da população, no início do ano o secretário de Meio Ambiente revelou que a intenção da gestão atual não é colocar lixeiras nas vias públicas. “A Secretaria de Meio Ambiente estuda um sistema diferente para o lixo urbano, com a implantação de contêineres nas ruas ao longo desse ano, seguindo projeto implementado em Lucas do Rio Verde, por exemplo”, disse.

Com seis meses para finalizar o ano, a ação da prefeitura referente ao lixo de Primavera do Leste, por enquanto, foi retirar os contêineres implantados pela gestão anterior. (Veja mais informações sobre esse assunto na página 4).

 

 

1 Comentário(s)
É simples. Os irresponsáveis vão empurrando pra frente e não resolvem, depois a prefeitura é autuada, leva uma multa e ai pagam ela com dinheiro público. Teria que sair do bolso deles e não dá população.
enviado por: Anderson em 24/07/2017 às 07:55:20
0
 
0
responder
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.