SAÚDE /

Terça-feira, 28 de Março de 2017, 07h:38

A | A | A

Prefeitura convoca psiquiatra aprovado em concurso público

Os atendimentos no Núcleo de Saúde Mental foram suspensos após o profissional responsável pela ala psiquiatra sair de férias


Imagem de Capa
Jaqueline Hatamoto

O  problema de aproximadamente 1000 pacientes do Núcleo de Saúde Mental de Primavera do Leste pode está próximo de chegar ao fim. Depois de anunciar que levaria os pacientes a Rondonópolis para consultas com psiquiatra, a Secretaria de Saúde voltou atrás e convocou o profissional aprovado no concurso realizado em 2015. O edital de convocação já foi publicado no dia 17 deste mês e de acordo com a  Assessoria de Imprensa, o processo de contratação já está em fase avançada. “Caso o médico não assuma até a próxima semana, ai sim os pacientes serão encaminhados para Rondonópolis”, disse a prefeitura.

Em relação aos pacientes que estão com dificuldades para adquirir medicamentos, pois as receitas estão vencidas,  a orientação é que o paciente procure o Núcleo de Saúde Mental e solicite um encaminhamento, assim poderá ir a uma Estratégia Saúde da Familiar (ESF), que o médico do local emitirá uma nova receita. Vale ressaltar que a medida é paliativa, até que o médico psiquiatra assuma a vaga.

 

RELEMBRE O CASO

Os atendimentos no Núcleo de Saúde Mental foram suspensos após  o profissional responsável pela ala psiquiatra sair de férias, como não há outro profissional para substituí-lo os 400 pacientes em tratamento e os outro 600 que aguardam na fila de espera ficaram sem ter onde buscar ajuda.

Marilei Terezinha Carlini denunciou o problema ao jornal O Diário. A mãe dela, de 87 anos, está aguardando na fila há um ano, e segue sem previsão de atendimento. Ela ainda ressalta que outros pacientes estão com dificuldades até para conseguir novas receitas. “Eles simplesmente tiraram o médico, e até o momento não tem ninguém que possa substituir. Minha mãe foi diagnosticada com um quadro de demência gravíssimo, mas ela não é a única, têm pacientes que não estão conseguindo liberar receitas”, desabafou.

Carlini destaca que, para não deixar a mãe sem tratamento, a família se une para custear atendimento particular e um imóvel precisou ser vendido.

 

O pai de outro paciente, que pediu para não ser identificado, relatou que a receita do filho venceu e que para conseguir outra, precisou pagar a consulta. “No meu caso consegui pagar, mas e quem não tem condições? Fica sem medicamentos?” questionou.                         

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!