CADA PONTO TEM SEU CONTO /

Sexta-feira, 07 de Abril de 2017, 07h:00

A | A | A

Marcelo Ferro é lembrado pela humildade, amizade e assistência

Ele morreu em aos 37 anos. vítima de câncer, porém, deixou ótimas lembranças por onde passou


Imagem de Capa
Pérsio Souza

Há ruas, bairros e praças municipais com nome de pessoas falecidas que tiveram notoriedade para Primavera do Leste e influenciaram diretamente no crescimento da cidade. Mas quem são essas pessoas?

O Diário dá sequência à série “Cada ponto tem seu conto” que tem o objetivo de contar quem são essas pessoas e qual a importância delas para o município.

A Praça Marcelo Leandro Ferro foi inaugurada no dia 16 de maio de 2016, no Jardim Universitário, próximo ao Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). O local conta com iluminação, pista de caminhada, academia ao ar livre e parque infantil. E custou R$ 60 mil.

A praça é uma homenagem a Marcelo Leandro Ferro, nascido em 17 de fevereiro de 1977, em Arurana, Paraná. Aos cinco anos, ele com os pais Clarice Valente Ferro e Valter Itamar Ferro vieram a Primavera do Leste no ano de 1982, em busca de oportunidade de trabalho.

Desde pequeno se dedicou a fazenda dos pais, a Fazenda Santa Teresa. No ano de 1989 ele começou a trabalhar na Prefeitura como office-boy e ficou até 2002.

Sempre em busca de condições financeiras melhores, ele começou a investir na área de transporte, bem como prestação de serviços ao Sindicato Rural de Primavera

Nos anos de 2009 a 2012, foi Assessor Parlamentar na Câmara Municipal e em 2013 e 2014 assumiu o cargo de Assessor da Presidência. Sempre oferecendo um trabalho excelente.

Marcelo Sorriso, como era carinhosamente chamado pelos amigos, realizava trabalhos voluntários e estava sempre disposto a ajudar o próximo. Fazia a assistência aos usuários de entorpecentes e álcool.

Ele ajudou diversas pessoas fazendo visitas, oferecendo conselhos e as que aceitavam, também encaminhava para clínicas de recuperação. Este trabalho, Marcelo realizada desde o ano de 2007.

Somente às clínicas, Marcelo conseguiu encaminhar mais de 500 pessoas, não somente de Primavera do Leste, mas de toda região e até mesmo de outros estados. Sempre pensando no próximo.

Ele também era apaixonado por motos, paixão desde os 15 anos, da época das DT, mas por último havia comprado uma CRF 250, pois gostava de competição.

Vítima de câncer, Marcelo morreu em 30 de abril de 2014, aos 37 anos. Porém, ele deixou ótimas lembranças a todos aqueles que tiveram o prazer de conviver.

O jornalista Fabrício Costa trabalhou com Marcelo e os dois se tornaram amigos. “O Marcelo sempre foi um grande profissional, amigo e parceiro. Trabalhar com ele me fez ver que podemos sim fazer mais pelo outro, porque ele ajudava tanta gente. Foram tantos jovens com problemas com dependência química, que ele direcionava para ajuda que perdi as contas. Sem falar que sempre estava alegre e ajudando alguém, com ele não tinha tempo ruim não, sempre achava uma solução”, ressalta. Fabrício também lembra que Marcelo era apaixonado por motocross e acrescenta que era um dos melhores.

Fabrício ainda destaca que Marcelo era conhecido por ser uma pessoa muito dinâmica, sincera e verdadeiro. “Acredito que ter uma praça com nome do Marcelo Ferro, é uma homenagem mais que merecida por tudo que ele fez pelas pessoas”, afirma.

O empresário Douglas Smaniotto conta que conheceu Marcelo no ano de 1986, e carrega uma boa lembrança desde então. “Na época ele prestava serviço ao banco e estudamos na mesma escola. Ele às vezes trazia elástico do banco e fazíamos estilingue para jogar papel nas pessoas e por incrível que pareça, ele comercializava essas borrachinhas. Era algo a troco de bala, era pela brincadeira mesmo. Isso sempre me chamou a atenção e nunca esqueci”, conta.

Douglas lembra que o amigo sempre teve um bom coração e não media esforços para ajudar o próximo. “Ele sempre foi muito humilde e nunca precisou expor as ações realizadas”, diz.

 

Os amigos participaram de diversas competições de motocross e ainda ajudaram até organizar uma das etapas que foi uma das melhores de Mato Grosso. “Nós conseguimos trazer pilotos do Mato Grosso Sul com o Paraguai, ele teve a ideia de fazer um cheque gigante para o campeão. Foi o melhor motocross que teve aqui na cidade. Ele só me traz lembranças boas. O Marcelo foi meu amigo e meu irmão, sempre falava que era meu irmão magro. É até difícil falar dele”, ressalta.   Ele ainda lembra uma frase que o amigo sempre falava. “Como ele sempre dizia: uai jhow, uai jhow”, finaliza.

1 Comentário(s)
Marcelo sempre foi uma pessoa muito amiga me lembro dele desde de quando treinavamos juntos no tempo da escolinha do qualhada ali onde hj é o hospital das Nações ele sempre foi uma pessoa muito alegre brincalhona e foi assim até o final saudades
enviado por: Dinho pva 2 em 09/04/2017 às 23:07:50
0
 
0
responder
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!