EDITORIAL /

Quinta-feira, 16 de Março de 2017, 07h:17

A | A | A

Refletindo sobre o problema

Cabe a nós, às vezes, pensar: para que transporte, para que ir para outro bairro estudar se no meu bairro tem escola?


Imagem de Capa
Da Redação

Uma coisa é fato, quando estamos acostumados com uma coisa, fica difícil desacostumar, ainda mais quando a comodidade é gratuita.

Todo ano é a mesma coisa, início das aulas e a incerteza: Vai ter ônibus ou não para os alunos do ensino médio? A pergunta quem faz são os que moram nos bairros mais afastados e que todos os dias vêm para o centro estudar, mesmo no bairro tendo escolas e vagas.

Esse problema do transporte é antigo. Há tempos o Tribunal de Contas e o Ministério Público vêm alertando os gestores municipais sobre o risco de se transportar os estudantes do estado à custa do município. Não é, e nem nunca foi responsabilidade do município.

Mais você pode estar se perguntando: “Mais por que “carregou” até o ano passado?” A resposta é simples! O gestor não aguenta a pressão popular e faz, mesmo sendo errado, dá um “jeitinho brasileiro” e leva, contraria a lei. O cidadão fica feliz, mais quem perde é esse mesmo cidadão, pois isso é uma obrigação do Estado.

E o cidadão pressionar o município para que continue fazendo o que é errado, é estar, de certa forma, concordando que o dinheiro que ele paga para que o Estado lhe forneça o serviço seja utilizado em sabe-se lá o que.

Mas também cabe a nós, às vezes, pensar: para que transporte, para que ir para outro bairro estudar se no meu bairro tem escola?

Se mesmo assim houver a necessidade de sair do bairro, a solução é simples e está na matéria acima: exigir da direção da escola que solicite para Secretaria estadual o transporte. Por que a prefeitura, ao que tudo indica, não o fará!

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

21/05 - Na noite do último sábado, 19, os holofotes estavam voltados para o casal Rosi e Moacir Quaini que celebrou 30 anos de união com pomposa festa, no centro de eventos Primacredi. A romântica história de amor que teve inicio em 1988, na Catedral do Divino Espirito Santo, em Cruz Alta- RS, foi reafirmada, dessa fez com a presença dos frutos da união, os filhos Leonardo e Letícia Quaini. Há cerca de aproximadamente um ano juntamente com a cerimonialista Sibeli Salvatori os noivos começaram a organizar a noite que será eternizada para sempre. Profissionais de mão cheia foram convocados para a suntuosa comemoração. A décor Silvânia Costa traduziu toda a magnitude da celebração nos detalhes da imponente decoração em tons de branco, verde e champanhe. O buffet foi assinado pela requisitada Mirian Avila, e o repertório musical ficou por conta da banda Comunicasom que animou os convidados até altas horas da matina. Os filhos Letícia e Leonardo não conteram as lágrimas ao proferirem homenagem aos pais expressando todo amor, carinho e gratidão ao voltarem ao tempo e relembrar, como a união pautada no amor e cumplicidade vence os desafios do tempo. A bênção de renovação dos votos de amor e fidelidade foi ministrada pelo frei Constantino e testemunhada por em torno de 250 convidados que celebraram o momento ímpar com a família que esbanjou felicidade do começo ao fim da noite. As fotos oficiais foram registradas pelas criteriosas lentes do cuidadoso e atento fotógrafo Marcello Holanda. Nossa coluna hoje é exclusiva em homenagem a badalada Bodas de pérola e destaca momentos de emoção dos queridos Rosi e Moacir Quaini que distribuíram abraços e sorrisos durante toda a comemoração. Confiram!

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.