EDITORIAL /

Terça-feira, 05 de Dezembro de 2017, 08h:59

A | A | A

O bom combate

Não é por moralismo que se deve combater a corrupção. A corrupção atinge o coração do estado democrático


Imagem de Capa
LUIZ HENRIQUE LIMA é conselheiro substituto do Tri

O dia 9 de dezembro assinala o Dia Internacional contra a Corrupção.

 

Internacional, sim, porque, ao contrário do que alguns pascácios apregoam, a corrupção não é invenção ou exclusividade brasileira como algo inerente à nossa natureza ou, ainda, uma maldição perpétua que nos tenha sido lançada.

 

A corrupção é milenar e dela há registro de casos em hieróglifos egípcios, na China Antiga e no Velho Testamento.

 

No célebre Sermão do Bom Ladrão, pronunciado perante a corte de D. João IV na Igreja da Misericórdia em Lisboa em 1655, o padre Antônio Vieira fez uma brilhante, abrangente e atual análise do fenômeno: "Os teus príncipes são companheiros dos ladrões. - E por quê? São companheiros dos ladrões, porque os dissimulam; são companheiros dos ladrões, porque os consentem; são companheiros dos ladrões, porque lhes dão os postos e os poderes; são companheiros dos ladrões porque talvez os defendem, e são, finalmente, seus companheiros, porque os hão de acompanhar ao inferno, onde os mesmos ladrões os levam consigo."

 

Assim, para desgosto dos insurgentes do velho regime, a corrupção não nasceu com a democracia ou é resultado da Constituição de 1988.

“Aliás, os Tribunais de Contas evoluíram muito positivamente desde a Constituição Cidadã, quando passaram a recrutar seu corpo de auditores mediante rigorosos e democráticos concursos públicos, que consagram os princípios da impessoalidade e da eficiência”

 

O que as evidências históricas e científicas demonstram é que, na contramão do senso comum, a corrupção no Brasil foi muito maior na Colônia e no Império do que na República, e bem maior na ditadura do que na democracia.

 

E será cada vez menor à medida em que se fortaleçam as instituições de controle, inclusive os Tribunais de Contas.

 

Aliás, os Tribunais de Contas evoluíram muito positivamente desde a Constituição Cidadã, quando passaram a recrutar seu corpo de auditores mediante rigorosos e democráticos concursos públicos, que consagram os princípios da impessoalidade e da eficiência.

 

Todavia, para que a qualidade de suas decisões evolua, é necessário que também o seu corpo julgador, de ministros ou conselheiros, tenha um processo de seleção que privilegie a formação técnica especializada, além dos requisitos constitucionais de idoneidade moral, formação acadêmica e experiência profissional.

 

De todo modo, a efeméride é útil para conscientizar sobre a importância do combate à corrupção. É interessante notar que, talvez por razões históricas, muita gente bem pensante torce o nariz com o Tema.

 

Há quem diga que o discurso pela honestidade na gestão dos negócios públicos não passa de uma manipulação conservadora. Isso é moralismo, dizem, e todo moralista é hipócrita.

 

Há, sem dúvida, muitos hipócritas, que empunham bandeiras moralizantes e, uma vez no poder, tornam-se campeões de bandalheiras.

 

Mas não é por moralismo que se deve combater a corrupção. É por pragmatismo econômico. Sociedades corruptas são ineficientes. Os custos de transação aumentam, assim como a insegurança jurídica.

 

Não há competitividade ou estímulo à inovação. Seu destino é a estagnação, a concentração de renda e a decadência.

 

Não é por moralismo que se deve combater a corrupção. É por compromisso democrático. A corrupção atinge o coração do estado democrático que é a competição eleitoral.

 

Como as últimas investigações têm comprovado, "roubar para vencer, vencer para roubar" não era apenas uma ironia, mas uma definição programática que ultrapassou fronteiras geográficas e ideológicas.

 

Não é por moralismo que se deve combater a corrupção. É porque a corrupção atenta contra os direitos fundamentais.

 

Chico Xavier certa vez declarou que a omissão de quem pode e não auxilia o povo é comparável a um crime que se pratica contra a comunidade inteira.

 

No livro "Corrupção e Pecado", o Papa Francisco, ainda como cardeal, concluiu que a corrupção decorre da incapacidade de amar.

 

O corrupto é um terrorista que joga bombas em escolas e hospitais. O corrupto é um terrorista que recruta os filhos da miséria para a violência do crime organizado. O corrupto é um terrorista que atenta contra os fundamentos de uma sociedade fraterna, livre e justa.

 

 

Combater a corrupção é um bom combate ao qual estamos todos convocados. Como o apóstolo Paulo, guardemos a fé.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!