Quarta-feira, 30 de Maio de 2018, 11h45
Economia
33 voos já foram cancelados por falta de combustível nessa quarta-feira
Reprodução Avianca já cancelou 35 voos entre essa quarta-feira (30) e o próximo domingo (3) A greve dos caminhoneiros que chegou nesta quarta-feira...


Brasil Econômico

Avianca já cancelou 35 voos entre essa quarta-feira (30) e o próximo domingo (3)
Reprodução
Avianca já cancelou 35 voos entre essa quarta-feira (30) e o próximo domingo (3)

A greve dos caminhoneiros que chegou nesta quarta-feira (30) ao décimo dia consecutivo continua provocando transtornos nos aeroportos de todo país. Por conta do desabastecimento , a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária ( Infraero ) comunicou que até o meio dia de hoje, dos 54 aeroportos administrados por ela, 9 estavam sem combustível elevando o número de voos cancelados para 33 até o momento.

Leia também: Estoques de produtos não perecíveis dos mercados já estão pela metade, diz Abras

A preocupação com o número de voos cancelados é maior hoje porque estamos às vésperas do feriado prolongado de Corpus Christi que deve aumentar o número de passageiros transportados nos aeroportos de todo país. Ciente disso, a Infraero anunciou que "por essa razão [desabastecimento] e pelas possíveis mudanças nas programações das empresas aéreas, não há uma estimativa de movimentação para este feriado nos 45 aeroportos da empresa com voos comerciais regulares."

Diante disso, as companhias aéreas mais afetadas até o momento são a Avianca e a Azul. A primeira, anunciou que cancelou 35 voos entre essa quarta e o próximo domingo (3). O dia mais afetado, porém, ainda é hoje em que já foram 8 voos cancelados ou 13,56% do total programado pela companhia para o período. Já a Azul chegou a cancelar mais voos (15), mas por conta de sua operação muito maior, o percentual de viagens canceladas ficou em 11,28%.

Maiores empresas de aviação do país, a Gol e a Latam cancelaram respectivamente 1 e 7 voos até às 12h de hoje. A Latam, porém, já antecipou que pelo menos 10 serão cancelados ao longo do dia. Os números da Infraero, porém, ainda não contemplam a totalidade pois são atualizados, em média, a cada hora.

Juntas essas companhias representam 98% dos voos programados nos 54 aeroportos administrados pela Infraero atualmente.

Problemas com aeroportos

A Infraero atualizou e divulgou também a lista de aeroportos que estão sem combustível até o momento. Nos terminais de São José dos Campos (SP), Uberlândia (MG), Campina Grande (PB), Juazeiro do Norte (CE), Palmas (TO), Imperatriz (MA), Londrina (PR), Montes Claros (MG) e Brigadeiro Protásio em Belém (PA) só conseguem decolar as aeronaves que já chegam abastecidas com combustível suficiente para realizar o próximo trecho programado.

Dessa forma, a empresa alertou aos operadores de aeronaves que avaliem seus planejamentos de voos para que cada um possa definir sua melhor estratégia de abastecimento de acordo com o estoque disponível nos terminais de origem e destino. Já aos passageiros, a orientação é para que procurem suas companhias aéreas para consultar a situação de seus respectivos voos. 

Leia também: Procon já registrou 1.147 reclamações sobre combustíveis desde começo da greve

Medidas especiais

Para tentar driblar a grave crise de desabastecimento, as companhias aéreas anunciaram medidas especiais ainda na semana passada para tentar tranquilizar os passageiros e minimizar os impactos. A maioria flexibilizou as regras de remarcação de passagens e isentou de cobranças de taxas ou multas os passageiros que perderam seus voos por conta dos transtornos causados pela greve.

Na terça-feira, no entanto, a Latam chegou a divulgar um vídeo no qual mostra um avião da companhia carregando combustível para um dos aeroportos mais afetados pelo desabastecimento, o de Brasília, para poder abastecer as demais aeronaves da empresa naquele terminal.

Leia também: Ministro espera que redução no preço do combustível chegue à bomba nessa semana

Já a Avianca divulgou um comunicado agradecendo a confiança de seus consumidores e a dedicação de seus funcionários por conseguir transportar 95% dos passageiros em segurança aos seus destinos desde quando a greve dos caminhoneiros começou provocando transtornos às companhias aéreas e afetando a programação normal dos voos .



Fonte: Clique F5
Visite o website: http://jornalodiario.com.br