Sábado, 07 de Outubro de 2017, 17h59
DENÚNCIA
Imagens apontam esquema de distribuição de notas falsificadas
Delegado pede para que a população não se incomode quando uma operadora de caixa estiver checando a originalidade de uma cédula. É um procedimento que precisa ser adotado cada vez mais

Ítalo Berto

Notas falsas estão circulando em Primavera do Leste. A denúncia anônima de uma comerciante de Primavera do Leste é de que em apenas um dia, terça-feira (3), cinco notas falsas de R$ 10 foram repassadas no estabelecimento. O Diário também recebeu vídeos (veja no Clique F5) do suspeito de vender as notas na região. Ele é morador da cidade de Rondonópolis e nas imagens mostra a “perfeição” das falsas cédulas, além de divulgar a fraude por meio de redes sociais.

A divulgação da venda de notas falsas vem com o nome do suspeito, que se intitula por Diego das Fakes (falso, na língua inglesa). O anúncio garante a satisfação dos clientes e afirma a qualidade do produto. Sobre as características do produto o golpista alega que as notas são ásperas e que passa nos testes da caneta e luz negra.

Ainda conforme as publicações, os custos que os “clientes” pagam pelas notas falsas são: R$ 200 para 1.500; R$ 300 para 3.000; R$ 400 para 4.000; R$ 500 para 5.000; e assim sucessivamente. “MANDO MESCLADO UM POUCO DE CADA NOTA”, ainda diz a propaganda.

Além disso, o golpista diz: “trabalho somente de segunda a sábado, de 8h às 18h, motivo: não moro no mesmo local que as notas ficam. PROMOÇÃO INDIQUE UM AMIGO: SE VOCÊ INDICA UM AMIGO VOCÊ GANHA 20% DO VALOR QUE ELE COMPRA”.

O Diário teve acesso a conversa de um morador de Primavera do Leste com o “Diego das Fakes”. No diálogo o golpista chega a dizer que encaminha as notas por uma empresa de transporte intermunicipal ou encaminha pelo serviço de Sedex dos Correios. “Porém Sedex demora até 48 horas e pela empresa de transporte chega no mesmo dia”, disse.

A forma de pagamento, ainda segundo a imagem da conversa, é por meio de depósito bancário. O suspeito chegou a passar o número da conta. Ele também solicitou o nome, telefone, endereço, CEP e ponto de referência para entrega.

POLÍCIA ALERTA POPULAÇÃO E COMERCIANTES

Em entrevista ao O Diário o delegado Pablo Rigo fez alertas à população. Ele conta que, geralmente, a pessoa que tem intenção de repassar notas falsas compra um objeto de valor básico e usa notas de valores altos. É uma forma de fazer o dinheiro que volta como troco ficar limpo na mão dele.

O delegado chama atenção para a textura diferentes entre as notas faltas e verdadeiras. “Mesmo que a falsificação seja bem feita, a textura das cédulas são diferentes”, alerta.

Segundo Rigo, repassar notas falsas é um delito previsto no código penal, considerado gravíssimo, e que pode acarretar pena de três a 12 anos de prisão, tanto para quem fabrica, adquire ou repassa.

“É importante que a população denuncie quando for vítima de uma nota falsa. Esse tipo de crime é de competência da Polícia Federal (PF), mas, como não temos uma delegacia da PF em Primavera do Leste, as denúncias podem ser feitas na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da cidade. Podemos auxiliar, principalmente na questão do flagrante”, explica Pablo.

O delegado também destaca que é importante a comunicação das vítimas à polícia quando descobrirem que estão com uma cédula falsificada, para as providências necessárias. “A participação da vítima é fundamental para o acontecimento do Crime. Se ela não estiver atenta, vai sofrer as consequências patrimoniais”.

Se a identificação da nota falsa for feita no banco, o delegado conta que a instituição tem total competência para identificar a cédula, e por isso fará o estorno do valor. Um comprovante, por meio de extrato, deve ser impresso para fazer a comunicação à Polícia.

Pablo também pede para que a população não se incomode quando uma operadora de caixa estiver checando a originalidade de uma cédula. É um procedimento que precisa ser adotado cada vez mais.

A denunciante mencionada no início desta reportagem tomou como medida, para evitar receber mais notas falsas, a conferência das notas de todos os valores. “É importante que todos confiram as notas de todos os valores, pois temos o hábito de conferir apenas de R$ 50 para cima”.

Aos comerciantes Rigo orienta que a nota não seja recebida quando houver suspeita de falsificação. É o cliente que precisa recolher o papel e comunicar a polícia. “Se o comerciante perceber que a intenção do cliente era pagar com a nota sabendo que é falsa, a polícia deve ser acionada e as características do suspeitos devem ser apontadas”, diz Pablo. Para ele, uma forma de descobrir se o cliente é vítima ou suspeito é a reação dele ao falar sobre a falsidade da cédula. “Se o indivíduo fugir, a polícia deve ser acionada imediatamente”, observa o delegado.

Aplicativo auxilia na identificação de notas falsas

O “Dinheiro Brasileiro” é um aplicativo do Banco Central do Brasil que promete ajudar usuários a identificar cédulas falsas de Real. Disponível para Android e iOS, o app usa a câmera de smartphones e tablets para reconhecer a nota e indicar características do dinheiro verdadeiro. A novidade suporta tanto os modelos antigos da moeda brasileira quanto as versões mais recentes.

Disponível gratuitamente, o aplicativo do Banco Central não é capaz de dizer se a moeda escaneada é falsa ou não, mas ajuda a identificar características de cédulas originais. Para usar, basta abri-lo e, em seguida, apontar a câmera do dispositivo para a nota que deseja escanear. O app reconhecerá automaticamente a cédula e mostrará uma versão virtual da mesma.

Na simulação apresentada pelo Dinheiro Brasileiro, é possível conferir pontos vermelhos em locais que merecem a atenção do usuário. Ao tocar sobre eles, o aplicativo exibirá um pequeno texto descrevendo características visuais e táteis localizadas naquele lugar. Após analisar todos os pontos de uma face, é possível virar a nota para ver as características do lado oposto.

O Dinheiro Brasileiro tem suporte às cédulas da primeira e segunda família do real. Caso o sistema de identificação falhe, o usuário pode ainda buscar manualmente pela nota que deseja identificar. O aplicativo do Banco Central está disponível para smartphones e tablets com iOS 7.0 e Android 4.1 (Jelly Bean) ou versões posteriores.

 

 

 

 


Fonte: Clique F5
Visite o website: http://jornalodiario.com.br