politica /

Sexta-feira, 19 de Maio de 2017, 15h:10

A | A | A

Temer suspeita de "conspiração" e envia gravações de dono da JBS para perícia

Planalto desconfia que áudio tenha sido editado; gravação sobre suposto aval de Temer à compra do silêncio de Cunha justificou abertura de inquérito


Imagem de Capa
Presidente Michel Temer durante pronunciamento feito no Planalto nesta quinta-feira
Isac Nóbrega/PR - 18.5.17
Presidente Michel Temer durante pronunciamento feito no Planalto nesta quinta-feira

A equipe do presidente Michel Temer decidiu enviar as gravações feitas por Joesley Batista , dono do grupo JBS, para perícia. O presidente, que já classificou o grampo de conversa entre ele e o empresário como " clandestino " e se disse alvo de "conspiração", suspeita que o áudio tenha sido editado. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S.Paulo e confirmada pela reportagem do iG nesta sexta-feira (19). Os áudios deverão ser encaminhados a mais de um perito, de acordo com assessor de Temer. 

O diálogo entre Michel Temer e Joesley Batista divulgado ontem se deu em março deste ano, no Palácio do Jaburu, onde o presidente supostamente teria dado aval para uma operação de compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, preso na Lava Jato. A gravação, no entanto, não é conclusiva.

Além de questionar a autenticidade da gravação que justificou a abertura de um inquérito contra Temer  no Supremo Tribunal Federal (STF), o Planalto também vai questionar a legalidade do grampo feito pelo empresário, que teve o aval da Procuradoria-Geral da república.

O teor completo da delação de Joesley Batista e de seu irmão, Wesley, foi divulgado no início da tarde desta sexta-feira. O ministro do STF Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte, havia retirado o sigilo do conteúdo ainda ontem, mas somente hoje ele foi disponibilizado.

Entenda o caso

O ponto mais polêmico do diálogo entre Temer e Joesley se dá no momento em que o empresário menciona Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara que estaria negociando um acordo de delação premiada . “O que eu mais ou menos estou fazendo até agora? Eu estou de bem com o Eduardo…”, diz Joesley, que  é interrompido por Temer. “Tem que manter isso, viu?”, sugere o presidente.

Além da conversa com o presidente da República, Joesley também já entregou gravações envolvendo o senador Aécio Neves  (PSDB-MG). O tucano pediu ao dono da JBS R$ 2 milhões para arcar com os custos de sua defesa na Lava Jato e indicou seu primo Fred – preso ontem pela Polícia Federal – para retirar a mala com dinheiro. A Polícia Federal possui gravações de Fred recebendo o dinheiro do empresário.

A defesa de Aécio Neves confirma que houve o pedido, mas alega que isso ocorreu na "esfera privada" e que o senador afastado pretendia, inicialmente, vender um apartamento de sua família para conseguir o dinheiro.

Já o presidente Michel Temer nega que tenha dado aval à compra do silêncio de Eduardo Cunha, tendo afirmado durante pronunciamento nesta quinta-feira que "não tem medo de delação".

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!