politica /

Segunda-feira, 13 de Novembro de 2017, 19h:02

A | A | A

Supremo marca para próxima semana julgamento de pedido de liberdade de Palocci

Ex-ministro está preso desde setembro do ano passado; juiz Moro defende prisão afirmando que há indícios de que o político tentou destruir provas


Imagem de Capa
Em maio, Fachin rejeitou individualmente o pedido de liberdade de Antonio Palocci e enviou o caso ao Supremo
Arquivo/Agência Brasil
Em maio, Fachin rejeitou individualmente o pedido de liberdade de Antonio Palocci e enviou o caso ao Supremo

O julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o pedido de liberdade feito pela defesa do ex-ministro Antonio Palocci foi marcado para a próxima semana, na quinta-feira (23). Este parecer será decisivo para manter a validade das prisões preventivas que foram decretadas pelo juiz federal Sério Moro e o ministro Edson Fachin. O ex-ministro está preso desde setembro do ano passado em função das investigações da Operação Lava Jato. 

Em maio,  Fachin rejeitou individualmente o pedido de liberdade de Antonio Palocci e enviou o caso ao plenário para tentar obter apoio da Corte para manter as prisões na Lava Jato. Fachin é relator das ações da operação no colegiado e foi derrotado, por maioria, na votação que concedeu liberdade ao ex-ministro José Dirceu. Antes da decisão que beneficiou Dirceu, os empresários José Carlos Bumlai e o ex-tesoureiro do PP João Claudio Genú também foram soltos por decisão da Turma.

Na decisão em que negou liberdade provisoriamente a Palocci, Fachin entendeu que não há nenhuma ilegalidade na decisão do juiz federal Sérgio Moro, que determinou a prisão. "O deferimento de liminar em  habeas corpus constitui medida excepcional por sua própria natureza, que somente se justifica quando a situação demonstrada nos autos representar manifesto constrangimento ilegal, o que, nesta sede de cognição, não se confirmou", afirmou o ministro.

Leia também: Em carta, Palocci pede desfiliação do PT: "sem ressentimentos e ou rancores"

Investigação

Palocci e mais 14 pessoas são réus em uma ação penal relatada pelo juiz federal Sérgio Moro. Todos são acusados dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

De acordo com a Polícia Federal, a empreiteira comandada por Marcelo Odebrecht tinha uma “verdadeira conta-corrente de propina” com o PT. Para os investigadores, a conta era gerida pelo ex-ministro Palocci.

Segundo os investigadores, os pagamentos ao ex-ministro eram feitos por meio do Setor de Operações Estruturadas da empreiteira, setor responsável pelo pagamento de propina a políticos, em troca de benefícios indevidos junto ao governo federal.

Para defender a prisão preventiva de Palocci , Sérgio Moro apontou haver indícios de que o ex-ministro tentou destruir provas até poucas horas antes de a Polícia Federal cumprir mandados de busca e apreensão em endereços ligados a ele, no dia 26 de setembro do ano passado, mesma data em que foi preso. A defesa de Antonio Palocci nega as acusações e sustenta que Sérgio Moro é parcial na condução do processo.

* Com informações da Agência Brasil

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!