politica /

Quarta-feira, 06 de Dezembro de 2017, 19h:01

A | A | A

STJ aceita denúncia e torna Fernando Pimentel réu em ação que apura corrupção

Tribunal determinou, por unanimidade, abertura de ação penal para analisar denúncia sobre atuação do petista a favor da Odebrecht durante governo Dilma; defesa diz que Fernando Pimentel é alvo de "perseguição política"


Imagem de Capa
Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT) é alvo de investigações por sua atuação como ministro de Dilma
Manoel Marques/Imprensa MG - 25.8.16
Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT) é alvo de investigações por sua atuação como ministro de Dilma

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu aceitar nova denúncia contra o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que é acusado de cometer crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além do petista, outras cinco pessoas também se tornaram réus nesse processo, entra elas o empreiteiro Marcelo Odebrecht.

A análise do recebimento da denúncia havia sido iniciada na semana passada , mas fora interrompida devido a um pedido de vista do ministro Og Fernandes quando o placar já apontava 2 votos a 0 a favor da abertura do processo penal. Na retomada do julgamento, a Corte Especial do Tribunal confirmou o recebimento da denúncia contra Fernando Pimentel , por unanimidade, com 10 votos favoráveis.

O Ministério Público Federal (MPF) acusa Pimentel de ter atuado para favorecer a Odebrecht em negócios da empreiteira no exterior quando ele desempenhava a função de ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no governo Dilma Rousseff.

Os ministros do STJ decidiram que, apesar da abertura da ação penal, Pimentel não é obrigado a se afastar do Governo de Minas Gerais pois a denúncia se refere a fatos ocorridos antes de ele assumir o cargo no poder Executivo mineiro. Os magistrados também entenderam que o petista não agiu para atrapalhar as investigações.

Leia também: Três pessoas seguem desaparecidas após enchentes em MG; outras três morreram

Acusação e defesa

Resultado das investigações de um desdobramento da Operação Acrônimo, a denúcia recebida hoje pelo STJ relata que Pimentel teria beneficiado a Odebrecht em processos na Câmara de Comércio Exterior (Camex), entre 2011 e 2014, quando ele era ministro.

Em troca de sua atuação, Pimentel teria combinado o recebimento de R$ 15 milhões em espécie a título de propina. O episódio foi narrado pelos delatores Marcelo Odebrecht e João Nogueira, segundo os quais os pagamentos foram realizados por intermédio do empresário Benedito Oliveira, o Bené.

Um dos processos em que Pimentel atuou para ajudar a empreiteira, segundo o MPF, diz respeito à aprovação de seguro de crédito para cobrir um financiamento de R$1,5 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o soterramento de uma ferrovia na Argentina – obra realizada pela Odebrecht. Outro processo refere-se à aprovação de um financiamento para obras de transporte público em Moçambique.

“Houve um ajuste para o pagamento dos valores em espécie segundo um cronograma e uma logística estruturada pela empresa”, afirmou na denúncia o vice-procurador-geral da República Luciano Mariz Maia.

Além do governador mineiro, também se tornaram réus nessa ação penal: Pedro Medeiros, apontado como 'mula' de propina; Eduardo Serrano, ex-chefe de gabinete do petista; o empresário Bené e os ex-executivos da Odebrecht João Nogueira e Marcelo Odebrecht.

Pimentel já responde também a ação penal na qual foi acusado por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido R$ 2 milhões em propina da montadora de veículos Caoa furante o governo Dilma.

Em nota, a defesa de Fernando Pimentel alegou que o petista é alvo de "perseguição política" e informou que levará ao conhecimento da Justiça novos fatos capazes de "altera profundamente os rumos da Operação Acrônimo".

Leia também: Reitores da UFMG são alvos de condução coercitiva em operação da PF

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!