politica /

Quarta-feira, 19 de Abril de 2017, 21h:10

A | A | A

Plenário debate novo pedido de urgência da reforma trabalhista

Na noite desta terça-feira (18), o plenário rejeitou o regime de urgência por insuficiência de votos, pois o pedido obteve o apoio de 230 parlamentares


Imagem de Capa
Plenário debate novo pedido de urgência da reforma trabalhista nesta quarta-feira (19)
Divulgação/Câmara dos Deputados
Plenário debate novo pedido de urgência da reforma trabalhista nesta quarta-feira (19)

Os deputados debatem novamente, na noite desta quarta-feira (19), um requerimento de urgência para o projeto de lei da reforma trabalhista.  Caso seja aprovado o regime de urgência, não será possível pedir vista ou emendas à matéria na comissão especial que analisa o substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

Leia também: Comissão da reforma da Previdência agenda votação de relatório

O relatório da reforma trabalhista  que foi apresentado na comissão mantém a prevalência dos acordos coletivos em relação à lei, conforme previsto no texto original, e acrescenta outras modificações, como regras para o teletrabalho e o trabalho intermitente. 

Na noite desta terça-feira (18), houve requerimento de pedido de urgência, porém o plenário rejeitou por insuficiência de votos, pois o pedido obteve o apoio de 230 parlamentares, quando o necessário é 257; além destes, 163 foram contrários e houve uma abstenção.

Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia minimizou a decisão do plenário de rejeitar o regime de urgência para a reforma nesta terça. “Não houve traição [da base governista]. As pessoas não são obrigadas a votar a favor do governo. Cabe àqueles que são a favor do projeto convencer os que são da base e estão contra”, avaliou Maia, anunciando que a urgência poderia ser colocada em votação novamente nesta quarta-feira, o que acabou acontecendo.

Leia também: Veja o que muda com a aprovação da Reforma da Previdência

“A reforma será aprovada com uma margem segura de votos. A gente está ajustando a base e vamos ter uma bela votação na próxima semana”, afirmou Maia. “Se tivemos um resultado diferente do esperado, nós erramos também. Eu errei por ter acabado a votação mais cedo e nós erramos por não ter conversado com mais cuidado com alguns deputados que acabaram votando contra a matéria”, acrescentou o presidente da Câmara dos Deputados.

A reforma

O relatório do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) aumenta o poder dos acordos entre patrões e empregados sobre a legislação. O texto faz ressalvas à recém-aprovada lei sobre terceirização; regulamenta o teletrabalho; além de retirar da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) a obrigatoriedade da contribuição sindical para trabalhadores e empregadores.

A proposta torna regra geral a prevalência dos acordos coletivos, enquanto o texto original previa que a negociação seria mais forte do que a lei em apenas 13 pontos. Agora, pelo texto de Marinho, o rol dos casos de os acordos coletivos se sobreporem à legislação é apenas exemplificativo e traz 16 temas, como banco de horas, parcelamento de férias e plano de cargos e salários.

Por outro lado, o autor do texto da reforma trabalhista acrescentou uma lista de 29 direitos que não podem ser reduzidos por negociação, como a liberdade sindical e o direito de greve, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o salário mínimo.

 *Com reportagem e informações da Agência Câmara

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!