politica /

Quinta-feira, 20 de Abril de 2017, 14h:10

A | A | A

Nova lei sancionada por Temer institui o Dia Nacional do Perdão

Celebração será no dia 30 de agosto; assunto viralizou nas redes sociais e internautas 'não perdoaram': "com tanta impunidade, isso é demais pra mim"


Imagem de Capa
Sanção da lei que institui o Dia Nacional do Perdão aconteceu nesta quarta-feira, pelo presidente Michel Temer
Marcelo Camargo/ABr
Sanção da lei que institui o Dia Nacional do Perdão aconteceu nesta quarta-feira, pelo presidente Michel Temer

Chega de rancor no Brasil. Isso porque, nesta quinta-feira (20), o Diário Oficial da União publicou uma lei sancionada pelo presidente da República Michel Temer (PMDB), que institui que, a partir deste ano, o dia 30 de agosto será celebrado como o Dia Nacional do Perdão. 

Leia também: “Agenda lotada”: Papa envia carta a Temer e se recusa a visitar o Brasil

O projeto de lei foi aprovado em abril de 2015 na Câmara dos Deputados e no último dia 28 no Senado Federal. A sanção de Temer aconteceu nesta quarta-feira (19).

A notícia fez o termo "perdão" ser um dos mais comentados na manhã desta quinta nas redes sociais, amanhecendo entre os Trending Topics (TTs) do Twitter.

"Desculpa, mas vai se f*. Com tanta impunidade, criar o dia do perdão é demais para mim", escreveu um internauta. "Todas as cagadas têm que ser perdoadas no dia do perdão, gente. Bora meter o louco", publicou outra.

Homenagem a criança assassinada

O que nem todo mundo discutiu foi o motivo para a criação dessa data. A deputada Keiko Ota (PSB-SP), autora do texto, escolheu a data em alusão ao dia da morte de seu filho, Ives Ota, sequestrado e assassinato aos 8 anos.

Leia também: Temer diz que não fará 'acordão' com Lula e FHC para barrar a Lava Jato

Na justificativa para o PLC 31/2015, Keiko afirma que o objetivo é propor uma reflexão sobre o tema, além de ressaltar a luta de diversos movimentos sociais e parentes por justiça. Ela e o marido, Masataka Ota, fundaram, em 1997, o Movimento Paz e Justiça Ives Ota.

“Lembro a memória de meu filho, Ives Ota, sequestrado e assassinado brutalmente aos 8 anos. Eu e meu marido, Masataka Ota, perdoamos aqueles que causaram esse mal à minha família”, destacou a deputada.

Ives Ota foi sequestrado em casa, na zona leste de São Paulo, em agosto de 1997. Por ter reconhecido um dos homens, que era policial militar e fazia bico como segurança em uma loja da família, o garoto foi morto na madrugada do dia seguinte. Mesmo depois da execução, o grupo continuou negociando o resgate. Os três envolvidos no caso foram condenados.

Leia também: Fora da mira da Lava Jato, Temer hasteia reformas em defesa de seu governo

* Com informações da Agência Brasil.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!