Política Nacional /

Domingo, 15 de Abril de 2018, 15h:04

A | A | A

Na véspera de julgamento, Aécio e Temer tem encontro fora da agenda

Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 12.5.16 Aécio Neves e Michel Temer, dois dos principais articuladores do impeachment que derrubou Dilma Rousseff...


Imagem de Capa
Aécio Neves e Michel Temer, dois dos principais articuladores do impeachment que derrubou Dilma Rousseff
Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 12.5.16
Aécio Neves e Michel Temer, dois dos principais articuladores do impeachment que derrubou Dilma Rousseff

Na terça-feira (17), o Supremo Tribunal Federal (STF) enfim decidirá se torna ou não o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) réu na denúncia envolvendo os áudios da JBS vazados em maio de 2017. Na ocasião, o tucano foi gravado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, implicado nas investigações da Lava Jato.

Leia também: Geraldo Alckmin deixa governo de São Paulo com aprovação de 36%, diz Datafolha

Como já é praxe em momentos importantes que dizem respeito ao governo e seus aliados, o presidente Michel Temer (MDB) recebeu Aécio em um encontro no Palácio do Jaburu no último domingo (8). E, novamente contrariando uma prática da comunicação do Planalto, o encontro não foi divulgado na agenda oficial da Presidência. A informação é do jornal O Globo.

Temer e Aécio tampouco se manifestaram sobre o conteúdo do que foi discutido no encontro. O tucano, como se sabe, foi um dos principais apoiadores do impeachment que destituiu Dilma Rousseff (PT), que venceu o mineiro nas eleições de 2014.

Ainda, o partido de Aécio foi um dos sustentáculos de Temer nestes últimos dois anos e o ajudou a aprovar a reforma trabalhista e a regra do teto dos gastos. Não por menos, o presidente aceitou receber o tucano em seu momento político mais agônico.

Cerco ao presidente

Se o aliado tucano do Planalto passa por um mau momento, o próprio Michel Temer tem seus motivos para preocupação.

Leia também: Após prisão de Lula, petista perde intenções de votos, segundo Datafolha

No momento, o que mais aflige o presidente é que seus dados bancários e fiscais solicitados pelo STF vazem para a imprensa. Em março, o Supremo autorizou a quebra dos sigilos de Temer, que é investigado por corrupção e formação criminosa no inquérito que trata do Decreto dos Portos e na denúncia sobre o “ quadrilhão do MDB ”.

Nos dois casos, o Ministério Público e a Polícia Federal buscam apurar a veracidade das delações que apontam que Temer e seu entorno receberam propina de empresas privadas em troca de favores da máquina estatal.

Reiteradas vezes, o presidente negou as acusações e criticou o Ministério Público, que, conforme alega Temer , o estaria perseguindo.

Leia também: Investigado no STF, Temer diz que ‘não se pode tolerar corrupção’

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!