politica /

Quarta-feira, 11 de Outubro de 2017, 19h:11

A | A | A

Fachin nega pedido de Lula para impedir uso de grampos do petista na Lava Jato

Ex-presidente queria revogar decisão do juiz Sérgio Moro que liberou a inclusão de conversas interceptadas em ações que tramitam em Curitiba; grampos incluem diálogos com Dilma, Lindbergh e até ministro do TCU


Imagem de Capa
Sérgio Moro criou empecilhos à nomeação de Lula à Casa Civil ao divulgar grampos telefônicos do petista, no ano passado
iG Arte
Sérgio Moro criou empecilhos à nomeação de Lula à Casa Civil ao divulgar grampos telefônicos do petista, no ano passado

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, rejeitou pedido da defesa do  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para impedir que o juiz Sérgio Moro utilizasse gravações de conversas do petista nos processos em tramitação em Curitiba.

Os advogados de Lula alegavam na reclamação que o juiz da 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba teria usurpado a competência do próprio Supremo ao "emitir juízo de valor sobre as conversas" que envolviam pessoas detentoras de foro privilegiado – dentre elas a hoje ex-presidente Dilma Rousseff, no episódio marcado pela frase "tchau, querida" .

O objetivo do ex-presidente era que o Supremo anulasse decisão de Moro que, após ter divulgado as conversas do petista e, assim, dificultado sua nomeação para a Casa Civil, autorizou a inclusão dos grampos telefênicos em investigações que tramitam em Curitiba. Para os advogados do ex-presidente, essa decisião "permitiu que pessoas detentoras de prerrogativa de foro sejam investigadas em primeiro grau de jurisdição, além de possibilitar a devassa de todo o material por todos aqueles que tenham acesso aos autos".

Além da conversa entre Lula e Dilma, também foram gravadas conversas do ex-presidente com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), com o ex-ministro Jacques Wagner, com os deputados José Guimarães (PT-CE), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-RS), e com o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro Filho – entre outros.

Leia também: Lula deve esclarecer expressamente se tem recibos originais de aluguel, diz Moro

Reclamação rejeitada

Fachin considerou ao negar a reclamação que a investigação em questão não está direcionada a agentes detentores de prerrogativa de foro. “A mera captação de diálogos envolvendo detentor de prerrogativa de foro não permite, por si só, o reconhecimento de usurpação da competência da Corte”, afirmou. Segundo ele, é “indispensável, em verdade, o apontamento concreto e específico da potencial aptidão da prova de interferir na esfera jurídico do titular da referida prerrogativa”, escreveu o ministro.

O relator da Lava Jato acrescentou que não é caso de se fazer, por meio de reclamação, uma “aguda análise de fatos e provas, na hipótese em que o reclamante não aponta, de modo seguro, a potencial participação ativa do titular da prerrogativa nos fatos em apuração”.

Para ele, a alegação dos advogados de Lula de que os agentes detentores de foro privilegiado terão seus "diálogos devassados" por todos aqueles que tiverem acesso a tais procedimentos constitui tema alheio à reclamação por não estar relacionado à competência da Corte. “Se referidos agentes públicos não figuram como alvo da investigação, cabe ao juízo singular avaliar e, sendo o caso, zelar pelo sigilo das provas que guarnecem o acervo sob sua supervisão”, afirmou.

Leia também: Dilma, Palocci e ex-presidente da Petrobras têm bens bloqueados pelo TCU

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!