politica /

Quarta-feira, 06 de Dezembro de 2017, 22h:10

A | A | A

Fachin determina bloqueio de R$ 13 milhões e abre novo inquérito contra Geddel

Ex-ministro será investigado pelo crime de peculato relacionado aos R$ 51 milhões encontrados pela Polícia Federal em um apartamento em Salvador


Imagem de Capa
Geddel Vieira Lima foi preso por suspeita de tentar atrapalhar investigação sobre esquema na Caixa Econômica Federal
Valter Campanato/Agência Brasil
Geddel Vieira Lima foi preso por suspeita de tentar atrapalhar investigação sobre esquema na Caixa Econômica Federal

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quarta-feira (6) o bloqueio de R$ 13 milhões de empresas ligadas à família do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). Na mesma decisão, o ministro determinou abertura de novo inquérito contra Vieira Lima pelo crime de peculato, relacionado à apreensão, pela Polícia Federal (PF), dos R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador.

A decisão atinge Geddel Vieira Lima , os dois irmãos dele, Afrísio Vieira Lima Filho e o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e a mãe, Marluce. A decisão foi motivada por medidas cautelares que foram solicitadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ,após a denúncia enviada à Corte contra todos os acusados. 

Na segunda-feira (4), o ex-ministro foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Na denúncia, a procuradoria aponta quatro possíveis fontes dos R$ 51 milhões atribuídos a Geddel: propinas da construtora Odebrecht; repasses do operador financeiro Lúcio Funaro; desvios de políticos do PMDB ou transferência de parte de salário de assessores.

O ex-ministro foi preso no dia 8 de setembro, três dias depois que a PF encontrou o dinheiro no apartamento de um amigo do político . Os valores apreendidos foram depositados em conta judicial.

Investigação

Na última terça-feira (28), a Polícia Federal enviou ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator dos processos da Lava Jato , as conclusões da investigação sobre os R$ 51 milhões. 

Segundo os investigadores, há "suficientes indícios" do cometimento dos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa por parte do ex-ministro; de seu irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e de mais três pessoas – entre elas Marluce Quadros Vieira Lima, mãe dos políticos.

"[Os investigados] estiveram unidos em unidade de desígnios para a prática de crimes de lavagem de dinheiro de recursos financeiros em espécie oriundos de atividades ilícitas praticadas contra a Caixa Econômica Federal (corrupção de Geddel)", aponta o delegado da Polícia Federal Marlon Oliveira Cajado dos Santos no documento de 36 páginas.

Leia também: STJ aceita denúncia e torna Fernando Pimentel réu em ação que apura corrupção

A apreensão dos R$ 51 milhões ocorreu em setembro deste ano durante diligência da Operação Cui Bono , que apura se Geddel participou do esquema de corrupção instalado na administração da Caixa Econômica Federal.

Geddel Vieira Lima foi vice-presidente do banco estatal entre 2011 e 2013 e já viu seu nome implicado durante as investigações contra outros suspeitos, como Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e Fábio Ferreira Cleto – embora nunca tenha sido denunciado por esse esquema. 

* Com informações da Agência Brasil

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!