Política Nacional /

Sexta-feira, 09 de Novembro de 2018, 11h:51

A | A | A

Bolsonaro nega propostas para aumentar tempo de contribuição para a Previdência

José Cruz/Agência Brasil Presidente eleito discutiu a reforma da Previdência com parlamentares, integrantes da equipe de transição e com Temer...


Imagem de Capa
Presidente eleito discutiu a reforma da Previdência com parlamentares, integrantes da equipe de transição e com Temer
José Cruz/Agência Brasil
Presidente eleito discutiu a reforma da Previdência com parlamentares, integrantes da equipe de transição e com Temer

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira (8), que a proposta de reforma da Previdência que estabelece um aumento do tempo de contribuição para aposentadoria integral, elevando o prazo para 40 anos não é da sua equipe. Pelas redes sociais, ele também negou a autoria da criação da alíquota de 22% para o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

 “Não são de nossa autoria como tentam atribuir falsamente”, destacou. Ao longo da semana, em que passou a maior parte dos dias em Brasília, o presidente eleito discutiu a reforma da Previdência com parlamentares, integrantes da equipe de transição e com o próprio presidente Michel Temer . A ideia é tentar garantir a aprovação, ainda este ano, de alguns pontos “possíveis” pelo Congresso Nacional.

Bolsonaro chegou a defender a fixação da idade mínima de 61 anos para os homens e 56 para mulheres. O economista Paulo Guedes , confirmado para o Ministério da Economia, acredita que se houver avanços até dezembro, o futuro governo pode aprofundar outras questões mais polêmicas a partir de 2019, como a que trata da idade mínima.

Leia também: Mudar idade mínima da aposentadoria este ano seria "grande passo", diz Bolsonaro

Em meio a dificuldades pela falta de consenso no Congresso Nacional,  Jair Bolsonaro indicou que a negociação passa por buscar a aprovação de medidas que não alterem a Constituição. Assim, fica assegurada, como consequência, a intervenção federal no Rio de Janeiro até 31 de dezembro. Alterações da Constituição não podem ser feitas durante a decretação de estados de sítio, de defesa ou de intervenção federal.

Na terça-feira (6), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), disse que a reforma precisa ser encaminhada pelo presidente eleito e que não sabe se é possível votá-la ainda este ano. Ele também lembrou de alguns empecilhos para o tema, como a intervenção militar no Rio de Janeiro, que impede a votação de qualquer emenda à Constituição. 

Leia também: "Será a que pudermos aprovar", diz Bolsonaro sobre reforma previdenciária 

O economista Paulo Guedes, apontado por Bolsonaro como futuro ministro da Fazenda, defende encaminhar propostas de mudanças na  reforma da Previdência , e não seguir com a proposta de Michel Temer, que tramita hoje no Congresso e, em sua avaliação, traria impacto pequeno nas contas públicas. 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.