Entretenimento /

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2018, 07h:21

A | A | A

Genocídio negro é tema da peça "Auto do Negrinho", em cartaz em São Paulo

A companhia de Teatro Terreiro Encantado traz ao Itaú Cultural, em São Paulo, de 12 a 14 de outubro, a peça de teatro "Auto do Negrinho",...


Imagem de Capa

A companhia de Teatro Terreiro Encantado traz ao Itaú Cultural, em São Paulo, de 12 a 14 de outubro, a peça de teatro "Auto do Negrinho", abordando o genocídio negro nos tempos atuais baseado na lenda do  Negrinho do Pastoreio . Dirigido por Cleydson Catarina, o espetáculo é realizado com máscaras e bonecos feitos pela companhia, dando um ar lúdico, mas também mostrando as raízes dos integrantes e a relação com outro tipo de arte. 

Leia também: Cinema brasileiro exclui diretoras negras, que lutam para estar em cena

Auto do Negrinho, peça em cartaz no Itaú Cultural sobre o genocídio negro
Will Cavagnolli
Auto do Negrinho, peça em cartaz no Itaú Cultural sobre o genocídio negro


O processo de montagem do espetáculo sobre o genocídio negro veio após um convite que Catarina recebeu enquanto trabalhava com outros grupos de teatro. Longe dos palcos desde 2009, quando perdeu a sua mãe, o diretor, que também atua na peça, trouxe da sua vivência com o teatro de bonecos e a experiência com o Cordel, um lado poético e lúdico ao espetáculo, que apresenta um tema forte e atual. 

Leia também: "Corra!", "Dear White People" e mais: Pauta racial toma conta do entretenimento

Dividindo cena com os artistas Uberê e Sandro Lima, e juntamente também com Rafael Fazzion, para Catarina, a sensação de dirigir e atuar na mesma montagem possui um olhar diferente de compartilhamento de experiências. 

"Nas tradições populares, no teatro de rua, a gente não fala de direção, os mestres estão junto com a gente, há uma troca de visão. Fazemos os exercício juntos, jogos com o corpo, desenvolvemos o olhar juntamente com os atores que estão em cena. Todos aprendem juntos, a quebrar essa estrutura da tradicional escola de teatro", diz. 

Genocídio negro é tema atual! 

A escolha de se inspirar em uma lenda surgiu da necessidade de falar sobre o racismo enraizado no Brasil. "O racismo é cultural e para mim ele é muito assustador. Eu escutei essa história desde sempre, eu vivi isso e queria motrar de um modo lúdico essa história, mas tirando as camadas e mostrando a violência contra os negros", explica o diretor, que relembra que o personagem não tem nome, apenas uma cor. 

Leia também: Listamos filmes que poderiam ganhar refilmagens com protagonistas femininas

Com interpretação simultânea da peça em Libras, Catarina ainda revela que fica muito emocionado com os acontecimentos, principalmente com os negros, ressaltando que o país está passando por um momento muito difícil.

"O objetivo do espetáculo é um momento de reflexão, de se reconhecer como negro, porque muitos não se reconhecem, para parte do estado isso não existe. É o momento de chamar os nossos ancestrais, rever nossas histórias e de refortalecer", finaliza o diretor ao falar sobre a importância de falar e mostrar mais sobre o genocídio negro

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
12.12.2018 - 10h09
12.12.2018 - 10h05
12.12.2018 - 10h00
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.