economia /

Terça-feira, 14 de Novembro de 2017, 15h:01

A | A | A

TST condena empresa em R$ 20 mil, após demitir vigilante com transtornos mentais

O funcionário afirma ter desenvolvido os transtornos após ter sido baleado em assalto e ter visto seu colega de trabalho ser morto durante troca de tiros


Imagem de Capa

Brasil Econômico

Terceira Turma do TST afasta recurso a empresa condenada por demitir vigilante com transtornos psicológicos
shutterstock
Terceira Turma do TST afasta recurso a empresa condenada por demitir vigilante com transtornos psicológicos

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou a Brink’s Segurança e Transporte de Valores Ltda, ao pagamento de indenização de R$ 20 mil a um vigilante que foi baleado em assalto a um carro forte e que viu seu colega de trabalho ser morto em outro, durante uma troca de tiros. Diante do valor indenizatório, a empresa recorreu ao TST, porém teve recurso negado pela Turma.

Leia também: Bill Gates compra terreno para construir "cidade inteligente" no Arizona

De acordo com informações do TST , o trabalhador afirmou na ação trabalhista que estava em tratamento psicológico, por estar incapacitado para o trabalho devido ao trauma desenvolvido após os assaltos. Ele também alegou ter sido demitido após o término do período de estabilidade.

Com as afirmações do empregado, o juízo do primeiro grau condenou a empresa a pagar indenização de R$ 5 mil por danos morais. Entretanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) decidiu pelo aumento do valor, que passou para R$ 20 mil, uma vez que houve a constatação do laudo pericial que comprovou que ele foi dispensado quando ainda sofria de transtornos emocionais, impulsionados pelas situações as quais havia sido exposto. Vale mencionar que em sua decisão, o Regional levou em conta também as condições econômicas da empresa e a gravidade do dano.

Leia também: Reforma trabalhista: Juiz condena ex-funcionário ao pagamento de R$ 8.500; veja

Recurso

O relator do recurso da empresa de segurança, ministro Alexandre Agra Belmonte, destacou que analisando a questão por todos os ângulos possíveis, seja pela responsabilidade objetiva da Brink’s em relação à atividade de transportes de valores e segurança de carro forte, ou por sua conduta negligente no que se diz respeito à demissão do vigilante, portador de enfermidade incapacitante, não há como afastar o valor indenizatório determinado pelo Tribunal Regional. Ele ainda ressaltou a impossibilidade de diminuir a indenização, como objetivava a entidade.

O ministro ainda afastou a afirmação de violação a dispositivos do Código Civil e rejeitou as premissas consideradas contraditórias pela empresa, por não tratarem da mesma situação. Desse modo, houve a conclusão de que o aparelhamento do recurso não atendeu as exigências do artigo 896 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A decisão foi unânime, com o mantimento da condenação da Brik’s pela Terceira Turma do TST.

Leia também: Caixa paga na sexta-feira abono do PIS para trabalhador nascido em novembro

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!