economia /

Quarta-feira, 09 de Agosto de 2017, 17h:10

A | A | A

Financiamento de automóveis: Proteste dá quatro dicas para fugir de armadilhas

Associação indica para o consumidor que saiba os custos com IOF, CET e demais taxas ao contratar crédito em montadoras ou bancos; entenda


Imagem de Capa

Brasil Econômico

Muitos brasileiros sonham em ter um carro. As horas exaustivas dentro do transporte público e a superlotação do mesmo afloram esse desejo, não é mesmo? Porém, é necessário planejamento para a aquisição do bem, além de entender que as despesas mensais terão aumento significativo com a inclusão de gastos com combustível e estacionamento. Isso sem falar quando o carro é adquirido por meio de financiamento.

Leia também: Aplicativo colaborativo ajuda consumidor à economizar na hora da compra, confira

Financiamento de automóvel; veja como comprar um carro parcelado sem entrar em uma fria
shutterstock
Financiamento de automóvel; veja como comprar um carro parcelado sem entrar em uma fria


Os fatos mencionados não servem para desencorajar o consumidor de adquirir o bem, e sim para que ele tenha planejamento financeiro para não entrar em uma furada, em especial, no tipo de financiamento que será escolhido para a compra.

Para explicar ao consumidor as etapas para financiar um automóvel, os juros do empréstimo e demais peculiaridades da contratação de crédito ofertado por montadores e concessionárias, a Proteste – Associação de Consumidores buscou dados junto a quatro montadoras de carros e oito bancos.

Foi identificado variação nos custos da contratação de crédito em um mesmo modelo de automóvel. O valor foi superior a R$ 4.500 ao final do contrato. “Para descobrir, de fato, o valor que vai pagar, não basta conferir os juros e as parcelas, o consumidor precisa ficar atento ao Custo Efetivo Total (CET) do financiamento, que mostra as taxas inclusas, além dos juros, como Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), tarifa de cadastro e seguros. Os bancos e as lojas não costumam divulgar esses custos, mas o consumidor deve exigi-los”, explicou a associação.

Para ajudar quem está prestes a comprar um automóvel, a Associação listou quatro dicas para não ter dor de cabeça após ter o contrato assinado:

Dê dinheiro de entrada

Quanto maior for o valor da entrada para aquisição do bem melhor. Ao ter uma entrada substanciosa, o consumidor tem maior poder de barganha com o vendedor e a concessionária. Um das dicas da Proteste para ter bons descontos na hora da compra é contratar o crédito no banco de sua confiança e quanto tiver o dinheiro em mão, pagar o carro à vista na concessionária .

Leia também: Cinco dicas para acabar com as dívidas e organizar as finanças pessoais

“taxa zero” = desconfiança

Muitas montadoras atraem o consumidor com promoções de “taxa zero”, afirmando que o consumidor terá isenção de taxas na contratação do crédito. Entretanto, segundo a Proteste essa promoção não existe, uma vez que existem custos em transações financeiras. Nesses casos a orientação é prestar muita atenção nas letras miúdas dos contratos para evitar dor de cabeça posterior.

“Para acabar logo com a dúvida, pergunte ao vendedor qual seria o desconto obtido no pagamento à vista na compra desse carro que poderia ser financiado com taxa zero”, orientou a entidade de defesa do consumidor.

Foi explicado ainda que o juros pode até ser isento em determinados contratos, mas os custos com o CET não. Logo, as taxas devem estar inclusas no valor do automóvel e do crédito a ser contrato, sendo de extrema importância ao consumidor ler todas as cláusulas do contrato.

Outro ponto de atenção é que para participar de promoções como esta, as empresas exigem que o consumidor pague à vista 60% do valor do automóvel, com prestações menores, de até 24 meses.

Pesquise o CET

Em sua pesquisa com bancos e montadores, a Proteste encontrou variação significa no Custo Efetivo Total (CET) e segundo a entidade, saber esse valor ajudará a entender em qual local é mais vantajoso fazer a compra.

“Ao financiar, em 24 vezes, 60% de um Ford Ka SE 1.0 em uma concessionária da montadora, em Campinho (bairro do Rio de Janeiro), o CET é de 17,57% ao ano. Já na Tijuca, sobe para 29,81% ao ano. Isso significa uma parcela de R$ 1.178 no primeiro caso e de R$ 1.297, no segundo. E se ainda escolher a alternativa mais cara para esse perfil, que é no Bradesco, com CET de 37,79%, as parcelas vão chegar a R$ 1.372,26. Assim, ao final do financiamento, você terá pago a mais R$ 4.662,24”.

Custos extras

Como já afirmado, ao contratar um financiamento de automóvel o consumidor deve ter em mente o quanto isso comprometerá a sua renda, já que é um “relacionamento” de longo prazo. Isso porque há outros custos envolvidos na manutenção de um carro. Além da prestação, leve em conta, por exemplo, o Imposto sobre Veículos Automotores ( IPVA ), seguro, combustível e eventuais consertos como as revisões previstas no manual do carro e que são obrigatórias para validade da garantia.

Leia também: Conheça o Favela Business, canal que incentiva o empreendedorismo nas periferias

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!