FEIRA /

Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018, 16h:37

A | A | A

MPE firma TAC com feirantes para regularizar venda de produtos de origem animal

Conforme relatórios técnicos elaborados pela Vigilância Sanitária Municipal, alguns associados da Afecampo descumpriram a legislação


Imagem de Capa
ASSESSORIA MPMT

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Campo Verde, firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Associação dos Feirantes Municipais de Campo Verde (Afecampo) para sanar irregularidades no comércio de produtos de origem animal para consumo humano (carnes, pescados, leite e derivados).

 

De acordo com a legislação estadual e a Lei Municipal nº 005/2005 (Código Sanitário Municipal), o alimento de origem animal é produto de interesse da saúde e somente pode ser exposto ao consumo, ou entregue à venda, depois de registrado no órgão sanitário competente e após atender as normas técnicas quanto ao registro, conservação, embalagem, rotulagem, prazo de validade e outros aspectos nelas estabelecidas.

 

Conforme relatórios técnicos elaborados pela Vigilância Sanitária Municipal, alguns associados da Afecampo descumpriram a legislação e venderam produtos de origem animal em discordância com as orientações do órgão sanitário.

 

“Ciente da hipossuficiência dos associados da Afecampo, que em sua maioria são agricultores familiares, assentados, feirantes e que dependem da atividade para o sustento da família, os quais realizam o comércio de produtos naquele local a diversos anos, o Ministério Público promoveu reunião na Promotoria de Justiça, com a presença dos interessados e da Vigilância Sanitária Municipal, a fim de expor as irregularidades encontradas na Feira Livre Municipal e desenvolver um plano para a solução do problema”, explica o promotor de Justiça, Marcelo dos Santos Alves Corrêa.

 

No TAC, ficou estabelecido que no prazo de seis meses, a contar de 15 de janeiro de 2018, a Vigilância Sanitária Municipal (Visam) identificará falhas de cada associado e orientará o associado a realizar as adequações. No mesmo prazo, a diretoria da Afecampo deverá realizar um trabalho de orientação aos seus associados. Após seis meses fica proibida a comercialização de produtos de origem animal em desacordo com as orientações repassadas pela Visam e em desacordo com a legislação sanitária.

 

 

A partir de 15 de julho de 2018, após período de orientação, a vigilância realizará vistoria, fiscalização, lavratura de autos, intervenção e imposição de penalidades aos associados que não cumpriram as orientações prévias e não realizaram as adequações indicadas. “O não cumprimento das obrigações e dos prazos assumidos no TAC sujeitará ao agente público a multa de duas vezes a sua remuneração e ao associado da Afecampo, no caso o feirante que comercializar o produto de origem animal em desacordo com as normas vigentes e orientações da Visam, multa no valor de R$ 50,00 por quilograma de carne ou produto de origem animal, cada um de acordo com sua conduta”.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

MAIS Campo Verde

Previsão aponta chuva em todos os dias dessa semana em Campo Verde

Previsão aponta probabilidade de 80% de chuva até a próxima sexta-feira.

Relatório da CNT comprova realidade vista nas rodovias da região

Município já tentou fazer sua parte, mas se sente de mãos atadas.

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.