Elmo de Souza /

Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2016, 20h:27

A | A | A

Elmo de Souza

“Primavera foi paixão a primeira vista”


Carregando fotos
Stephanie Freitas

Vindo de Cuiabá/MT, o paranaense Elmo Epitácio de Souza chegou a Primavera do Leste em maio de 1993, ano em que montou a Hidráulica Ponto Final, a primeira empresa do ramo na cidade. “Eu já tinha ouvido muito sobre Primavera, e na empresa onde trabalhava em Cuiabá, atendíamos muitos fazendeiros daqui. Um deles, o Miguel do Lago acabou convencendo eu e outros dois colegas a conhecer a região”, relembrou.

Os três vieram em fevereiro do mesmo ano, e constataram que havia uma grande demanda na cidade. “Para mim foi paixão a primeira vista. A cidade era bem movimentada, percebi que tinha potencial. Também gostei muito do clima, com neblina ao amanhecer, bem diferente do calor de Cuiabá”, contou Elmo. Decididos a montar o próprio negócio, os três voltaram para a capital mato-grossense a fim de se organizar e adquirir equipamentos, até que em maio, abriram a empresa. As primeiras instalações da hidráulica, que possuíam 50 m², ficavam no início da rua Rio de Janeiro.

A esposa Cleidmar de Souza Silva, mais conhecida como Cleide, e os filhos Elvis e Débora vieram alguns meses depois, em setembro de 1993. “Nós morávamos no Condomínio Pioneiro. Uma das dificuldades era levar as crianças a pé até a oficina”, relembrou a goiana. Em 1994, o irmão dela, Renato Lopes Miranda também veio de Cuiabá para trabalhar na empresa, exercendo atualmente a gerência da oficina.

Em 1995 a sociedade foi desfeita. Elmo chegou a trabalhar com outro sócio por mais um tempo, mas também não deu certo essa parceria. “Nessa época, ele pensou em desistir e voltar para Cuiabá, mas eu bati o pé. Já gostava e acreditava em Primavera. Foi então que decidi trabalhar junto na oficina”, relatou Cleide.

Acreditando na cidade, alugaram um espaço pagando três meses de aluguel adiantado, também na rua Rio de Janeiro. Para economizar, passaram a morar em uma das partes do imóvel. “Meu esposo e meu irmão trabalhavam e eu era assistente deles, dividindo o tempo com os cuidados da casa e os filhos”, destacou Cleide. “Já tínhamos muito serviço. Trabalhava até nos finais de semana, indo fazer assistências em fazendas”, lembrou Elmo.

Em 1997, a oficina passou a funcionar em outro endereço, na Rua Aripuanã, ao lado da Sênior Agropecuária. “Nós alugamos o espaço do Seu Luiz Ravanello, que nos ajudou e também ofereceu um outro lugar para morarmos. Nessa época, adquirimos um torno que foi um dos primeiros maquinários, e motivo de muita alegria”, relembrou Elmo. Uma das dificuldades da época era usar o telefone. “Era muito caro o aparelho, então por um tempo, continuamos usando o Posto Telefônico, para fazer cobranças e tratar de questões da empresa”, contou Cleide. Em 1998, o irmão do Elmo, Edison Edio de Souza também veio de Cuiabá para trabalhar na empresa.

Acompanhado o desenvolvimento de Primavera, em 2001, adquiriram um terreno às margens da MT-130, saída para Paranatinga, para realizar o sonho de trabalharem em instalações próprias. “Na época, só havia o Posto 2000 e a Ovetril. O resto era cerrado. As pessoas achavam que estávamos loucos de nos mudar para lá. Nós mesmos ficamos receosos de diminuir os serviços, mas ocorreu o contrário, houve um aumento. Além disso, incentivamos a vinda de outros comércios para a região”, destacou Elmo.

Cleide conta que nessa época, receberam o apoio de Edgar Cosentino, de quem adquiriram a área. “Ele facilitou nossa compra e conseguimos terminar as obras e nos mudar em 2002”, informou. Atualmente a Hidráulica Ponto Final funciona em um espaço de mais de 4 mil m², contando com 43 colaboradores, atendendo Primavera do Leste e região.

“Nós não imaginávamos que Primavera iria crescer tanto. Foi difícil para gente, assim como para a maioria. Passamos por dificuldades, mas sempre colocamos Deus à nossa frente. Ele nos deu muito mais do que pedimos”, enfatizou Cleide. Para Débora, filha do casal, morar em Primavera é motivo de muito orgulho. “Nossa cidade é muito bonita, não tem igual. É uma honra morar aqui. Quando estamos fora, e contamos que moramos em Primavera, as pessoas sempre elogiam”, destacou. Os dois filhos de Elmo e Cleide, Débora e Elvis trabalham nos negócios da família.

Elmo destaca: “Nós somos um exemplo de crescimento que acompanhou Primavera. Acreditamos no potencial da cidade, fomos empreendedores e investimos. Começamos apenas com ferramentas, e hoje possuímos uma oficina completa e moderna”.

 

 

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!